Funcionários da Bombardier entram em greve nos EUA

Funcionários de uma fábrica da canadense Bombardier, nos Estados Unidos, entraram em greve nesta segunda-feira, após rejeitar uma proposta, no último fim de semana, que havia sido recomendada por líderes sindicais. A greve, que começou na primeira hora desta segunda-feira, quando expirou o antigo contrato, teve o apoio de 80% dos membros no último sábado, segundo líderes da Associação Internacional de Maquinários e Trabalhadores Aeroespaciais, que se negaram a divulgar detalhes sobre os resultados da votação. O sindicato representa 1.100 funcionários da fábrica em Wichita, que possui cerca de 4 mil trabalhadores.A proposta final da Bombardier, com prazo de três anos, incluía um aumento salarial na ordem de 4% no primeiro ano e de 3% nos dois anos restantes. Além disso, novos benefícios também haviam sido acrescentados aos planos de saúde mantidos pelos funcionários da companhia.Líderes sindicais informaram que o último aumento salarial foi há quatro anos, quando os trabalhadores da Bombardier aceitaram uma proposta de congelamento salarial, em meio a cortes de custos e ameaças de fechar fábricas. Na última sexta-feira, os sindicalistas haviam recomendado aos trabalhadores, com unanimidade, que aprovassem o contrato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.