Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Funcionários da Mercedes voltam ao trabalho, mas greve na Volks segue pelo 3º dia

Trabalhadores protestam contra demissões após o Ano Novo; sindicato promete novas mobilizações na fábrica da Mercedes em São Bernardo do Campo (SP)

Igor Gadelha , O Estado de S. Paulo

08 de janeiro de 2015 | 10h12

SÃO PAULO - Após 24 horas de paralisação em protesto contra a demissão de 260 funcionários, trabalhadores da fábrica da Mercedes-Benz de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, retornaram ao trabalho na manhã desta quinta-feira, 8. Na unidade da Volkswagen na mesma cidade, contudo, operários da linha de produção e alguns do setor administrativo seguem em greve pelo terceiro dia consecutivo, contra a demissão de 800 colaboradores, confirmada pela montadora.

O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC afirma que, como o objetivo dos trabalhadores é tentar reverter as demissões, pode ser que novas mobilizações aconteçam durante os próximos dias na fábrica da Mercedes de São Bernardo. A entidade não descarta novas paralisações. Já na Volks, funcionários seguem de braços cruzados no pátio da fábrica, com a produção toda parada, e devem realizar uma nova assembleia de mobilização às 14 horas de hoje. Até a manhã desta quinta-feira, nenhuma das duas montadoras havia agendado reuniões com o sindicato.

Demissões. Dos 260 trabalhadores demitidos da Mercedes de São Bernardo do Campo, 160 foram desligados pela empresa e outros 100, por meio do Programa de Demissão Voluntária (PDV). Eles estavam no grupo de cerca de mil trabalhadores que ficaram em lay-off (suspensão temporária dos contratos de trabalho) entre julho e novembro. Para outros 750 colaboradores, a empresa informou que prorrogou o lay-off até 30 de abril, mesma prorrogação dada para 170 funcionários da fábrica de Juiz de Fora (MG). 

A montadora diz estar aberta a conversas com representantes dos trabalhadores, mas pondera que não pretende reverter os cortes. Em nota à imprensa, a montadora afirma que utilizou todas as "ferramentas legais e negociáveis de flexibilização" para preservar a sua força de trabalho. Segundo a Mercedes, foram adotados licença remunerada, férias coletivas e individuais, banco de horas individuais e coletivos, semanas com quatro dias de trabalho, redução para um turno, PDVs e lay-offs e interrupção da produção em dezembro. 

Trabalhadores da Volkswagen, por sua vez, pedem a reversão das demissões alegando que os cortes violam acordo trabalhista firmado em 2012, que previa a estabilidade dos empregos até 2016. A montadora, contudo, alega que, quando fez esse acordo, o mercado de veículos crescia em ritmo acelerado. No ano passado, as vendas de veículos caíram 7,15% ante 2013. A Volks diz ter um excedente de 2 mil trabalhadores, de um total de 13 mil, na unidade e que o corte de 800 colaboradores é a "primeira etapa de adequação do efetivo". 

Tudo o que sabemos sobre:
Mercedes-BenzVolkswagengreve

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.