Funcionários da Petrobrás Distribuidora mantêm estado de greve

O Sindicato dos Trabalhadores do Comércio de Minérios e Derivados de Petróleo do Rio de Janeiro recusou a proposta de reajuste salarial oferecida pela direção da Petrobras Distribuidora (BR) e decidiu manter o estado de greve em que a categoria se encontra até o próximo dia 26, quando haverá nova rodada de negociações.Segundo informações do presidente do sindicato, Sérgio Vieira, as negociação se estenderam por cerca de oito horas sem que se chegasse a um bom termo em relação ao Acordo Coletivo de 2004. A Petrobras. de acordo com ele, apresentou uma proposta de reposição salarial de 7,81% (a variação da inflação medida pelo Índice de Custo de Vida do Dieese), além de 5% de ganho real a título de produtividade para os funcionários da ativa.Sérgio Vieira afirma que a proposta fica bem distante das pretensões do trabalhadores da Petrobras Distribuidora, principalmente se for levado em conta o fato de que a proposta elevaria o piso salarial da categoria para R$ 846,10 quando é reivindicado um piso salarial de R$ 1,3 mil. Sérgio lembra, ainda, que a empresa não analisou as cláusulas sociais que constam da pauta de reivindicação como, por exemplo, a redução da jornada de trabalho de 40 para 36 horas semanais.As informações são da Agência Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.