Funcionários da Volks aceitam proposta da Justiça

Funcionários da Volkswagen de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, aceitaram hoje (quarta-feira), em assembléia, proposta do Tribunal Superior do Trabalho (TST) para o pagamento do Programa de Participação nos Resultados (PPR) desde ano e desconto dos 17 dias de greve dos trabalhadores da produção.A decisão acaba com um impasse que durou quase três meses. A proposta do TST determina em R$ 4.750 o valor de PPR aos cerca de 12 mil empregados da fábrica do ABC. Já o acerto dos dias parados durante a greve realizada entre setembro e outubro para pressionar a direção da fábrica a melhorar o valor do bônus será feito da seguinte forma: a montadora vai descontar seis dias dos empregados; outros seis dias deverão ser compensados com trabalho aos sábados, sem pagamento de horas extras; e cinco dias serão pagos sem a reposição do trabalho.Nesta sexta-feira a Volkswagen fará o pagamento de 11 dias que haviam sido descontados da folha de pagamento de novembro. Também pagará a segunda parcela do PPR, no valor de R$ 2.750. A primeira parcela, de R$ 2 mil, foi paga em abril. "Infelizmente o caso chegou à Justiça. Tentamos negociar a qualquer custo com a empresa, como é prática deste sindicato. mas a Volks se manteve intransigente. A proposta do TST aprovada pelos trabalhadores foi a única saída encontrada para resolver o impasse do desconto dos salários e o pagamento da PPR ainda neste ano", disse o vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Francisco Duarte de Lima."Sem dúvida foi a decisão mais acertada para encerrar este impasse, que consideramos não ter vencedor nem perdedor, prevalecendo o bom senso. Quanto mais tempo uma fábrica fica sem produzir, maiores os prejuízos gerados para ambos os lados: empresa e empregados", afirmou o gerente corporativo de Relações Trabalhistas da Volkswagen, Nilton Junior. Durante a greve, 16 mil veículos deixaram de ser produzidos.

Agencia Estado,

07 de dezembro de 2005 | 18h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.