Funcionários de Furnas param atividades por 24 horas em SP

Trabalhadores entraram em greve após anúncio de reajuste salarial de 4,42%, considerado baixo pelo sindicato

Central de Notícias

08 de junho de 2009 | 13h32

Funcionários de várias unidades das usinas de Furnas iniciaram na manhã desta segunda-feira, 8, uma paralisação de 24 horas organizada pelo Sindicato do Eletricitários de São Paulo em protesto ao reajuste salarial de 4,42% apresentado pelo Grupo Eletrobrás.

 

O presidente do sindicato, Carlos Reis, declara que o reajuste proposto pela estatal é bem inferior aos das outras empresas do setor que também já iniciaram a campanha salarial deste ano. "Não podemos admitir que trabalhadores da mesma categoria tenham aumentos tão diferentes, quase metade do percentual que estamos negociando com as outras empresas", disse.

 

Caso não haja avanços na proposta de reajuste, ocorrerá novas paralisações de 48 horas nos próximos dias 22 e 23 e de 72 horas, a partir de 6 de julho, segundo informou Reis. "Faremos quantas manifestações e paralisações forem necessárias para garantir um aumento adequado às necessidades dos trabalhadores", conclui o presidente.

 

A greve atinge os 500 trabalhadores das unidades de Ibiúna, Tijuco Preto, Mogi das Cruzes, Cachoeira Paulista, SE Guarulhos e escritório de São Paulo, responsáveis pelo abastecimento de energia da maior parte da região do Estado de São Paulo e Rio de Janeiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.