Funcionários do BB adiam negociação para sexta

As negociações do Banco do Brasil (BB) com a Confederação Nacional dos Bancários (CNB) foram adiadas de hoje para a próxima sexta-feira. O gerente geral da Unidade de Relacionamento com os funcionários do BB, Juraci Masiero, explicou que o adiamento foi decidido em função de pedido dos sindicalistas. "Eles querem mais tempo para poder submeter o acordo fechado em mesa com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) às assembléias, e nós concordamos com o adiamento", disse. O Sindicato dos Bancários de Brasília informou, no entanto, que o adiamento foi solicitado para que a reunião de negociação ocorresse somente após um encontro de representantes da CNB com o ministro da Fazenda, Antonio Palocci. "Como as negociações com os bancos públicos federais não têm avançado, optamos por voltar a conversar com o Ministério da Fazenda", disse um porta-voz do sindicato. A expectativa dos sindicalistas é que o ministro Palocci auxilie na reivindicação de que o BB e a Caixa Econômica Federal (CEF) estendam aos seus empregados os termos do acordo fechado com a Fenaban. Pelo acordo, os bancários terão reajuste salarial de 12,6% e ainda receberão abono de R$ 1,5 mil. O BB, por sua vez, já se disse que não pretende dar um reajuste linear de 12,6% para todas as faixas salariais. A idéia do BB é de aplicar o índice apenas para o salário inicial. Na quinta e sexta-feira da semana passada, os bancários do BB fizeram uma greve para pressionar o banco acelerar a negociação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.