Funcionários do BC podem fazer nova greve na quinta

Os funcionários do Banco Central (BC) ameaçam entrar em greve a partir da próxima quinta-feira, dia 4 de maio. O objetivo é forçar o governo a encaminhar ao Congresso Nacional um projeto de lei com a proposta de aumento salarial acertado durante a greve do ano passado. Pelo acordo que pôs fim a uma paralisação de 33 dias, os servidores do BC teriam reajuste de 7,5% em fevereiro e de mais 3,5% em junho próximo. "Enquanto o projeto de lei não for aprovado pelo Congresso Nacional e sancionado pelo presidente da República não podemos receber o aumento", disse o presidente do Sindicato Nacional dos Funcionários do BC (Sinal) em Brasília, Paulo Calovi. A decisão final sobre a paralisação será tomada em assembléia a ser feita às 14h30 de quarta-feira da próxima semana, dia 3 de maio. "Vamos discutir na assembléia se fazemos primeiro uma greve de 24 horas ou se já entramos de uma vez numa paralisação por tempo indeterminado", explicou o sindicalista. Forma de evitar A única forma da greve ser evitada, na visão do dirigente do Sinal, é o governo encaminhar o projeto antes da assembléia ou mesmo editar uma medida provisória (MP). "Para nós, seria muito melhor se fosse uma MP. Não precisaríamos esperar a votação do projeto para ter o reajuste", disse Calovi. A edição de uma MP também eliminaria o risco do projeto não ser votado neste ano em função das eleições de outubro. "Com o começo da campanha, sabemos que nada será votado pelo Congresso no segundo semestre", comentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.