Funcionários farão passeata por seus empregos na Schincariol

Os 2,7 mil funcionários do grupo Schincariol em Itu, a 98 quilômetros de São Paulo, devem ir às ruas da cidade até o fim da semana numa manifestação contra a ameaça de fechamento da fábrica. Com a prisão dos cinco donos e quatro diretores do grupo, os empregados podem ficar sem salários no fim do mês.Os diretores presos, acusados de envolvimento num esquema de sonegação fiscal que teria desviado R$ 1 bilhão, são os únicos autorizados a efetuar movimentações financeiras de vulto na empresa.Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores as Indústrias de Bebidas e de Alimentação da Região de Campinas, Manoel Martins, a data da manifestação será definida quarta-feira. Um fechamento da fábrica, segundo ele, vai atingir mais de 10 mil pessoas que dependem direta e indiretamente da Schincariol. "Será criado um problema social bem mais grave do que já temos".Com as manifestações, o sindicato espera sensibilizar o governo para que seja assegurado o funcionamento da fábrica. "Se houve sonegação, a empresa deve ser autuada, mas é preciso que continue funcionando, ainda que seja preciso nomear um interventor". A Schincariol admitiu um possível fechamento.Segundo o grupo, as prisões dos dirigentes "colocam em risco a própria sobrevivência da empresa". Na prática, já está comprometido o fornecimento de insumos usados na fabricação da cerveja. "Diante do quadro de incertezas, alguns fornecedores suspenderam as entregas", revelou um funcionário que pediu para não ser identificado. Segundo ele, a velocidade de produção já está reduzida, embora os estoques de malte e outros produtos sejam suficientes para manter o engarrafamento por mais alguns dias. Carretas carregadas com cerveja têm saído normalmente da fábrica.O prefeito de Itu, Herculano Júnior (PV), disse que o fechamento da Schincariol será um desastre para a cidade. Além da demissão de 2,7 mil funcionários, a prefeitura perderia R$ 400 mil por mês só da receita gerada pelo ICMS. "Representa uma perda de 10% de nossa receita com esse imposto". A prefeitura teria de alterar seu programa de investimentos. "Esse pessoal todo indo para a rua, seria o caos. Farei o que for possível para evitar".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.