André Dusek/ Estadão
André Dusek/ Estadão

Funcionários públicos farão greve contra pacote fiscal

Greve geral está marcada para a quarta-feira da próxima semana; servidores protestam contra o adiamento do reajuste dos salários, medida anunciada pelo governo para aliviar as contas públicas

Murilo Rodrigues Alves, O Estado de S. Paulo

16 Setembro 2015 | 09h17

BRASÍLIA - Os funcionários públicos marcaram uma greve geral para quarta-feira da semana que vem contra a decisão do governo de congelar por sete meses o reajuste dos salários da categoria. A medida, segundo o Executivo, vai economizar R$ 7 bilhões aos cofres públicos.

Em reunião que acabou na madrugada desta quarta-feira, 16, a Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef), ligada à Central Única dos Trabalhadores (CUT), e mais 20 entidades representativas dos servidores montaram uma estratégia para reverter a decisão do governo.

"A nossa meta é colocar pressão para derrubar essa situação que que nos foi imposta. Temos que nos preparar para o pior", disse Sérgio Ronaldo da Silva, da Condsef, nesta quarta. A entidade reúne 36 sindicatos que representam 80% dos servidores do Executivo. Segundo Silva, no dia 23 haverá greve em todo o serviço público com manifestações nas ruas.

Na próxima segunda, os movimentos do funcionalismo público se reúnem com as centrais sindicais para chamar uma greve geral sem prazo definido. Pela estimativa da Condsef, cerca de 100 mil servidores públicos - dos 850 mil do Executivo - estão em greve atualmente. De acordo com o Ministério do Planejamento, a maior parte dos grevistas está lotada nas 56 universidades federais. Entidades sindicais dos técnicos administrativos, dos docentes e dos servidores federais da educação básica dessas instituições estão em greve há mais de 100 dias, em alguns casos. Já os servidores do INSS estão em greve há 70 dias.

Ontem mesmo, os fiscais do Ministério da Agricultura foram os primeiros a informar o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, de que vão entrar em greve a partir de hoje, como resposta ao anúncio feito na segunda de segurar o reajuste de janeiro para agosto. Os sindicatos se mobilizam para terem adesão de outras categorias, que chegaram a entrar em greve - como os funcionários do Ministério do Trabalho e Emprego - e retomaram as atividades.

Ainda nesta quarta, será divulgado um manifesto contra o ajuste fiscal. Os sindicatos ainda criticam a decisão de eliminar o abono de permanência, benefício pago aos servidores que adquirem o direito de se aposentar, mas que continuam trabalhando. De acordo com dados oficiais, há 101 mil servidores nessa situação, com previsão de 123 mil para os próximos cinco anos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.