Funcionários terceirizados da Petrobras fazem protesto

Cinco mil operários de empresas terceirizadas da Refinaria Henrique Lage, da Petrobras, fizeram uma paralisação por cerca de cinco horas às margens da via Dutra, no trecho de São José dos Campos, no Vale do Paraíba.O protesto começou por volta das 6h30, horário em que os operários do primeiro turno começariam a trabalhar, e provocou pelo menos oito quilômetros de congestionamento nos dois sentidos da rodovia. As pistas foram liberadas depois das 11 horas da manhã, quando o trânsito voltou ao normal. Durante toda a manhã o que se via, próximo ao quilômetro 145, era uma multidão de trabalhadores de braços cruzados, reivindicando melhorias para a categoria e aumento salarial.Mesmo quem não concordava com a greve tinha dificuldade em entrar na empresa. "Estamos reivindicando aumento salarial de 20%, mais redução da jornada de 44 para 40 horas, sem redução de salário", informou o coordenador da manifestação, João Rosa da Silva, ligado à Coordenação Nacional de Lutas (Conlutas). Durante o protesto os manifestantes tentaram fechar a rodovia, mas foram impedidos por policiais militares. Houve bate-boca e confusão. Segundo a assessoria de imprensa da Petrobras, apesar da greve de 5 mil trabalhadores, a maioria, cerca de oito mil, conseguiu entrar para o trabalho e as obras internas não foram prejudicadas. Atualmente cerca de 80 empreiteiras prestam serviço para a Petrobras nas obras de ampliação e modernização da refinaria, onde são produzidos gasolina e gás GLP (gás de cozinha). No período da tarde os trabalhadores deixaram o local e foram embora. Uma nova assembléia, na próxima semana, deve decidir os rumos da paralisação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.