Fundador da imobiliária Fernandez Mera morre em São Paulo

Elbio Fernandez Mera foi internado há cerca de 20 dias no hospital Sírio Libanês por causa do coronavírus

Redação - O Estado de S.Paulo

Você pode ler 5 matérias grátis no mês

ou Assinar por R$ 0,99

Você pode ler 5 matérias grátis no mês

ou Assinar por R$ 0,99

Você leu 4 de 5 matérias gratuitas do mês

ou Assinar por R$ 0,99

Essa é sua última matéria grátis do mês

ou Assinar por R$ 0,99

O empresário Elbio Fernandez Mera, sócio-fundador da imobiliária Fernandez Mera, morreu nesta segunda-feira, 28, aos 77 anos. Ele havia dado entrada no hospital Sírio Libanês, há cerca de 20 dias, com sintomas relacionados à covid-19. Ele fundou a imobiliária em 1983 e permaneceu no comando até 2010, quando foi sucedido no cargo pelo filho Gonzalo Fernandez. Desde então, estava no conselho de administração.

Nascido no Uruguai, em 21 de setembro de 1943, Fernández Mera trabalhava em um banco em Montevidéu quando tinha 18 anos. “Eu sentia que tinha algum atributo a mais que o banco não estava reconhecendo. Pensei: como posso dar o verdadeiro valor à minha capacidade? Meu pai me mostrou um anúncio de jornal em que procuravam corretores de imóveis. Eu me apresentei e escolhi que aquela seria minha profissão. No primeiro mês eu vendi seis imóveis”, disse, em vídeo publicado no canal de sua empresa, em 2013. 

Elbio Fernandez Mera, da imobiliária Fernandez Mera Foto: Alex Silva/ Agência Estado

O presidente do Secovi-SP, Basilio Jafet, disse que Fernandez Mera tinha uma “enorme inteligência emocional” que ajudou a modernizar o jeito de vender casas e apartamentos no Brasil. “Ele foi, talvez, a primeira pessoa que enxergou que um imóvel não é (apenas) uma compra que você faz, mas mais que isso (representa) seu chão, sua cidadania, o refúgio da sua família. Nos anos 1980, foi ele quem introduziu uma atitude absolutamente emocional.”

A personalidade de Fernández Mera fez com que ele chegasse às entidades de classe – ele foi presidente da Federação Internacional Imobiliária (Fiabci) para as Américas.

O empresário tinha uma grande habilidade interpessoal, de acordo com Ricardo Yazbek, vice-presidente de assuntos legislativos e urbanismo Metropolitano do Secovi-SP. “Como ele era uma pessoa muito cativante, criou essa trajetória (em associações do setor). Tinha um perfil muito agregador. Como ele era uruguaio, tinha muita facilidade de encontro dos países do Cone Sul”, disse Yazbek. 

Em 1995, o empresário foi o responsável por introduzir outra tradição do mercado paulista: o prêmio Master Imobiliário, que tem como objetivo reconhecer e estimular a excelência profissional no setor. 

Um dos projetos mais emblemáticos da carreira de Fernandez Mera foi o loteamento Tamboré, localizado nas proximidades de Alphaville, em Barueri (SP). O presidente da agência Publicidade Archote, Pedro Cesarino, lembrou a estratégia diferente que o empresário montou para vender os lotes.

O desafio, segundo o publicitário, era o fato de que se sabia que haveria um dia o Rodoanel, que facilitaria a ligação entre Tamboré e São Paulo – mas, na época, as obras não tinham sequer começado. Logo, contou Cesarino, a tática foi fazer uma grande campanha de mídia, em parceria com os principais veículos de comunicação. “Assim, conseguimos fazer grandes campanhas para lançar e vendemos os primeiros lotes.” 

Além de ser citado como um profissional visionário no mercado imobiliário, Fernandez Mera era um entusiasta de vinhos e charutos em sua vida pessoal. Ao lado de amigos, como o construtor Romeu Chap Chap, criou uma confraria de vinhos. Segundo o construtor, o grupo se reunia geralmente às sextas-feiras, em restaurantes como Fasano e Santo Colomba, em São Paulo. “Tenho muito respeito por ele e saudade”, disse Chap Chap. 

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato