Fundador da Yukos faz greve de fome em solidariedade a sócio

Mikhail Khodorkovski - outrora o homem mais rico da Rússia e atualmente preso - se declarou em greve em sinal de solidariedade a seu sócio Platon Lebedev, que foi transferido a uma cela de castigo, informou seu advogado nesta terça-feira. Em declaração lida por seu advogado, Antón Drel, à emissora de rádio Eco de Moscou, o fundador da companhia petrolífera Yukos explica que a transferência de Lebedev era um "ato de represália" à negativa de seu sócio a tomar banho de sol no pátio da prisão.No entanto, segundo Khodorkovski, citado pela Eco de Moscou, isso era só um pretexto, pois "Platón (Lebedev) está gravemente doente e há mais de um ano não pode passear" pelo pátio. Khodorkovski afirmou que "é evidente" que seu amigo foi enviado à cela de castigo no último dia 19 - onde passará sete dias - "em represália aos artigos e às entrevistas" concedidos pelo primeiro desde a prisão e publicadas pela imprensa russa.O magnata, de 42 anos, foi detido em outubro de 2003 e em maio foi condenado a nove anos de prisão por vários crimes contra a economia. Lebedev, ex-diretor financeiro da Yukos, foi condenado à mesma pena.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.