Fundadora da Theranos: Elizabeth Holmes é considerada culpada por fraudar investidores

Fundadora da Theranos: Elizabeth Holmes é considerada culpada por fraudar investidores

Condenada em quatro das 11 acusações, ela foi absolvida em quatro e o júri não conseguiu chegar a uma decisão nas três restantes

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de janeiro de 2022 | 01h52

A fundadora da Theranos, Elizabeth Holmes, foi considerada culpada por um júri dos EUA de conspirar para fraudar investidores na start-up de exames de sangue. Condenada em quatro das 11 acusações, ela foi absolvida em quatro acusações e o júri não conseguiu chegar a uma decisão em três delas. A decisão foi divulgada nesta segunda-feira, 3.

Os promotores disseram que Holmes, 37, enganou investidores privados entre 2010 e 2015, convencendo-os de que as pequenas máquinas da Theranos podiam fazer uma série de testes com algumas gotas de sangue de uma picada no dedo. A empresaria também foi acusada de enganar os pacientes sobre a precisão dos testes.

Holmes ganhou fama no Vale do Silício após fundar a Theranos em 2003. Investidores privados ricos, incluindo o magnata da mídia Rupert Murdoch, investiram milhões na empresa após se reunir com a executiva. O caso lançou luz sobre o esforço fracassado da Theranos para revolucionar os testes de laboratório. A empresa confiava secretamente em máquinas convencionais fabricadas pela Siemens para fazer os testes dos pacientes, disseram os promotores.

Theranos entrou em colapso depois que o Wall Street Journal publicou uma série de artigos sugerindo que seus dispositivos eram falhos e imprecisos. Holmes foi indiciada em 2018 ao lado do ex-chefe de Operações da Theranos Ramesh "Sunny" Balwani.

Ela se declarou inocente de nove acusações de fraude e duas de conspiração. Balwani também se declarou inocente e será julgado posteriormente.

Durante o julgamento em San Jose, Califórnia, que começou em setembro, os jurados ouviram depoimentos de ex-funcionários da Theranos que disseram ter deixado a empresa após testemunhar problemas com sua tecnologia.

Os investidores testemunharam que Holmes fez afirmações enganosas sobre a Theranos, como a que suas máquinas estavam sendo usadas em campo pelos militares dos EUA. E ex-pacientes disseram aos jurados que não teriam usado os testes de Theranos se soubessem que eram falhos.

Os promotores disseram que se Holmes tivesse sido sincera com os investidores e pacientes, o empreendimento nunca teria atraído fundos e receitas essenciais.

"Ela escolheu a fraude em vez do fracasso empresarial. Ela escolheu ser desonesta", disse o procurador-assistente dos Estados Unidos, Jeff Schenk, no início dos argumentos de encerramento. "Essa escolha não foi apenas insensível, foi criminosa."

Em sua defesa, Holmes disse que nunca teve a intenção de enganar ninguém e que os diretores do laboratório da Theranos eram responsáveis pela qualidade dos testes.

Nos argumentos finais, o advogado de defesa Kevin Downey disse que as evidências não mostram que Holmes foi motivada por uma crise de dinheiro na Theranos, mas sim que ela estava "construindo uma tecnologia que mudaria o mundo".

"Você sabe que, ao primeiro sinal de problema, os bandidos ganham dinheiro", mas Holmes ficou, disse Downey. "Ela afundou com aquele navio quando afundou." / Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.