Peter DaSilva/ The New York Times - 20/11/2013
Peter DaSilva/ The New York Times - 20/11/2013

Fundadores de companhias de tecnologia bem sucedidas têm, em média, 45 anos

Nomes como Mark Zuckerberg e Steve Jobs ajudaram a criar o mito de que a inovação nos EUA era obra de jovens universitários; estudo aponta, no entanto, que a idade média dos criadores de empresas iniciantes de alto crescimento é maior

The New York Times

03 de setembro de 2019 | 09h00

Um empreendedor reinventou o termostato doméstico banal e o transformou num belo objeto, o que bastou para ele enriquecer com base nesta ideia. Ele era Tony Fadell, que teve essa revelação após décadas de trabalho no setor de tecnologia. Depois de ter passado por empresas como a Apple, Fadell incorporou sua ideia numa nova empresa, a Nest, que fundou com a ajuda de um colega em 2010, aos 41 anos de idade.

O termostato da Nest tinha design compacto e intuitivo, conectividade com o smartphone e a capacidade de saber os hábitos de ajustes de temperatura do seu proprietário. O produto se tornou um enorme sucesso e, depois de alguns anos, o Google adquiriu a companhia por US$ 3,2 bilhões.

A profunda experiência de Fadell e o fato de ter fundado a Nest já na meia idade são características comuns dos empreendedores superestrelas, que raramente estão saindo de uma universidade ou que desistiram no meio do curso. 

Foi o que uma equipe de economistas descobriu ao analisar as empresas de forte crescimento nos Estados Unidos. Seu estudo foi publicado na revista American Economic Review: Insights.

Eles estudaram startups fundadas entre 2007 e 2014 e analisaram aquelas enquadradas no 0,1% das maiores – ou seja, as definidas como as de mais rápido crescimento em termos de emprego e vendas. A idade média dos fundadores dessas companhias era de 45 anos.

Claro que existem exemplos contrários famosos. Mark Zuckerberg tinha 19 anos quando fundou o Facebook com colegas. Bill Gates estava com 19 anos quando fundou a Microsoft com Paul Allen. Steve Jobs havia completado 21 anos quando criou a Apple com Steve Wosniak. As histórias desses fundadores e de um punhado de outros ajudaram a criar um mito de que a tecnologia, e toda a inovação nos Estados Unidos, era obra de geninhos. Mas fundadores muito jovens são a exceção, não a regra, segundo o estudo.

A pesquisa feita pelos economistas Pierre Azoulay, do MIT, Ben Jones, da Northwestern University, J. Daniel Kim, da Universidade da Pensilvânia, e Javier Mirandam, do Census Bureau dos Estados Unidos, nos oferece a primeira avaliação sistematizada das idades dos fundadores de startups de forte crescimento nos Estados Unidos.

Estudos anteriores documentaram que os proprietários de pequenas empresas no geral tinham entre 30 e 40 anos. Mas muitas dessas pequenas empresas continuam pequenas: restaurantes, lavanderias, lojas e similares. Elas são importantes, mas não são cruciais para a inovação no campo da economia.

O novo estudo focou em startups de grande sucesso reunindo dados coletados de diferentes agências do governo federal. O governo comparou dados de vendas e emprego de startups reunidos pelo Census Bureau com informações sobre os fundadores obtidas das declarações de imposto de renda.

O governo forneceu aos pesquisadores um conjunto de dados que incluiu 2,7 milhões de fundadores de empresas. Eles então estimaram em 42 anos a média de idade desses fundadores. E, no caso de 0,1% das empresas com crescimento mais rápido, a idade era de 45 anos. As companhias que chegaram a ter sucesso a ponto de se registrarem em Bolsa ou serem adquiridas por uma empresa maior mostraram o mesmo padrão: seus fundadores no geral eram de meia idade.

O que não quer dizer que não existam desvantagens.

Os jovens com freqüência assumem mais riscos, o que é benéfico para criar idéias inovadoras. Além disto, a capacidade de resolver novos problemas – que os psicólogos chamam de inteligência fluída – parece se desenvolver cedo. E pode começar a declinar por volta dos 20 anos.

As conclusões repercutem análises anteriores feitas por pesquisadores sobre avanços científicos. Embora Albert Einstein tenha realizado um trabalho revolucionário no campo da relatividade e o efeito fotoelétrico aos 26 anos, tais descobertas não são comuns. Um estudo sobre laureados com o Nobel durante o século 20 concluiu que esses cientistas realizaram sua obra premiada já com uma média de idade em torno dos 37 anos.

No campo da ciência aplicada, a inteligência cristalizada que se desenvolve por meio da experiência, parece ainda mais vital. Grandes avanços no campo da medicina que valeram um Nobel foram registrados por cientistas mais velhos, com uma média de idade de 40 anos.

Em resumo, o sucesso empresarial não tem a ver apenas com a inteligência bruta e a propensão a assumir riscos. Depende de uma variedade de ingredientes e muitos deles aprimoram com a idade.

A história de Fadell

Tony Fadell começou a trabalhar no Vale do Silício no início da década de 1990, projetando produtos na General Magic e na Philips Electronics. Em 2000, ingressou na Apple, onde liderou uma equipe de engenharia do primeiro iPhone. Em 2010, depois de acumular toda essa experiência, em fundou a Nest com Matt Rogers, um jovem engenheiro da Apple.

Em entrevista, Fadell contou como, depois que deixou a Apple, ele e sua família viajaram pelo mundo e construíram uma casa idealizada com preocupação ambiental em Lake Tahoe. E que não estava satisfeito com os termostatos oferecidos pelo construtor da obra ou que viu em suas viagens.

“Os termostatos eram feios, ultrapassados e não propiciavam economia de dinheiro”, disse. “Havia algo fundamentalmente errado com ele e não se encontrava nenhum produto no mercado que solucionasse a questão”, ele pensou. Então criou um novo termostato e uma nova companhia.

Fadell disse ter tentado abrir uma empresa de sucesso na faculdade e no início da sua carreira, mas fracassou porque ainda não estava pronto. “Havia muita coisa que eu ainda tinha de aprender para conseguir ser bem sucedido.”

Ele aprendeu  design de produto na General Magic e gestão de equipes e financiamento na Philips Electronics. Na Apple, Jobs mostrou como ir além do design de um produto: a chave, disse Fadell, era projetar a experiência completa do cliente, da embalagem à mensagem.

Quando precisou recrutar uma equipe para a Nest, ele disse que era já um veterano do Vale do Silício. “Estive ali por 20  anos, de modo que tinha uma grande rede de pessoas com as quais trabalhei antes.

Seu modo de pensar, agora mais velho, também é diferente. Aos 20 anos ele mal tinha idéia de termostatos. “Alunos de faculdade sabem o que os alunos de faculdade necessitam”,  afirmou. “Quando você fica mais velho começa a necessitar e compreender outras coisas.”  / Tradução de Terezinha Martino


Conte sua história para a gente! Você também criou uma startup do zero depois dos 40? Envie um e-mail para: economia@estadao.com

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.