Daniel Teixeira/Estadão - 16/3/2012
Daniel Teixeira/Estadão - 16/3/2012

Fundo Advent analisa compra da parte da Odebrecht na Braskem

Investidor norte-americano, que tem ex-presidente da petroquímica entre seus executivos, também está no páreo para compra da indústria química Oxiteno

Fernanda Guimarães e Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2021 | 16h16

O fundo americano Advent está analisando a aquisição da fatia de 38,3% do capital total que a Odebrecht, recentemente rebatizada de Novonor, tem na petroquímica Braskem, apurou o Estadão. Essa fatia tem um valor de mercado de aproximadamente R$ 14 bilhões, considerando o preço de suas ações negociadas na Bolsa brasileira. A Petrobrás possui 36% da empresa, também considerando o capital total, e é esperado que venda juntamente com a Odebrecht, conforme fontes.

O banco Morgan Stanley está conduzindo o processo e procurando eventuais interessados. Além do Advent foram procurados para analisar a aquisição, por exemplo, o fundo soberano dos Emirados Árabes Unidos Mudabala e empresas do setor, como a LyondellBasell, antiga interessada. O processo é esperado para durar cerca de seis meses, disseram as mesmas fontes.

O Advent é um fundo mais conhecido por investir no varejo – vendeu recentemente, por exemplo, o Grupo Big (ex-Walmart) ao Carrefour Brasil, mas já tinha dado sinalizações de que investiria também no Brasil no setor petroquímico por aqui. Uma das indicações nesse sentido foi a contratação de Fernando Musa, que deixou a presidência da Braskem no fim de 2019, após passar dez anos na petroquímica.

A Braskem, aliás, não é a única empresa analisada pelo Advent, que segue no processo de venda da indústria química Oxiteno, colocada à venda no ano passado pelo Grupo Ultra.  A Braskem é a maior fornecedora da Oxiteno, empresa avaliada em cerca de US$ 1,5 bilhão.  Esse processo de venda acaba de passar pela segunda fase, na qual os interessados pelo ativo fazem uma proposta.

O Advent captou ano passado um novo fundo dedicado à América Latina. O fundo tem R$ 11 bilhões para investir na região.

Em 2019, a Odebrecht chegou perto de vender sua fatia na Braskem à holandesa LyondellBasell, mas a negociação foi suspensa após 16 meses, com o aumento da insegurança jurídica em torno da Odebrecht e por outros imbróglios, como, como o atraso na entrega de documentos à Securities and Exchange Commission (SEC) – a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA – e os danos causados em bairros de Maceió, reflexo da extração de sal-gema na região.

Petrobrás pode vender junto

A Petrobrás tem o direito de fazer a venda conjuntamente com a Novonor, se considerar o preço adequado. Ainda não se sabe, contudo, como será a visão do recém-empossado presidente da petroleira, o general Joaquim Luna e Silva sobre esse desinvestimento. Uma fonte ressalta, porém, não ver melhor alternativa para a Odebrecht, que, apesar de ser co-controladora do negócio no papel, na prática tem pouco poder na Braskem. 

Considerando apenas as ações com direito a voto a Odebrecht possui 50,1% e a Petrobrás, 47%. Na B3 são negociadas apenas as ações preferenciais, que não têm direito a voto. Há alguns anos está na mesa da companhia converter todas as ações para ordinárias, de modo a migrar a listagem da empresa para o Novo Mercado da Bolsa brasileira.

Na gestão de Roberto Castello Branco na Petrobrás, a venda da Braskem começou a ser conduzida, com a estatal contratando bancos para estruturar a venda. No entanto, naquela época a então Odebrecht não estava decidida pela venda da petroquímica – e os compradores só estavam interessados na compra do controle de fato do negócio.

Procuradas, Odebrecht e Advent afirmaram que não vão comentar. A reportagem aguarda posicionamentos de Braskem e Petrobrás.

Tudo o que sabemos sobre:
OdebrechtAdventBraskem

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.