Divulgação
Divulgação

Fundo americano compra 17% da Pague Menos por R$ 600 mi

Varejista de farmácias sediada em Fortaleza vai usar os recursos aportados pelo General Atlantic para expandir a rede

Mônica Scaramuzzo, O Estado de S.Paulo

22 Dezembro 2015 | 09h36

A rede de farmácia Pague Menos, com sede em Fortaleza, vendeu 17% de participação do grupo para o fundo americano General Atlantic. O valor de negócio é de R$ 600 milhões. Desse total, R$ 440 milhões serão pagos em dinheiro e os R$ 160 milhões restantes entrarão por meio da compra de ações dos acionistas do grupo. 

Segundo Francisco Deusmar Queirós, presidente e fundador da empresa, a injeção de capital será para garantir a expansão da varejista farmacêutica no País. A intenção do grupo para o futuro é abrir o capital da empresa. “Temos, sim, intenção de abrir o capital, mas somente quando o mercado estiver favorável”, afirmou Mário Queirós, diretor de relações com os investidores do grupo e filho do fundador.

A família não pretende vender mais participação ao fundo americano, pelo menos, por enquanto. A rede foi assessorada pelo Itaú BBA e pelo Credit Suisse.

Com cerca de 800 lojas em todo País, a Pague Menos já era alvo, nos últimos anos, de fundos de investimentos. Ao , Queirós afirmou que nunca descartou a entrada de um sócio no seu negócio, mas que não pretendia vender o controle da empresa. 

O valor da venda equivale a 13 vezes o Ebtida (potencial de geração da caixa) da companhia. No setor, o múltiplo médio nas aquisições é de 10 vezes. 

A empresa encerrou o terceiro trimestre com receita bruta de R$ 1,29 bilhão, crescimento de 10,6% ante o mesmo período de 2014. No acumulado até setembro, o faturamento somou R$ 3,2 bilhões, alta de 14% em relação ao mesmo período de 2014. No terceiro trimestre, o lucro ajustado da empresa ficou em R$ 20,9 milhões, alta de 20,6% em relação ao terceiro trimestre e de R$ 93,2 milhões, aumento de 49,1% comparado aos nove primeiros meses de 2014.

A empresa pretende promover sua expansão por crescimento orgânico e tem intenção de abrir lojas fora do Brasil. No entanto, de acordo com Mário Queirós, não há, no curto prazo, plano de internacionalização em curso. 

Consolidação. O setor de varejo farmacêutico movimenta cerca de R$ 60 bilhões por ano e tem crescido a dois dígitos. 

A Pague Menos é a quarta maior rede em número de lojas, atrás da Raia Drogasil, Drogaria São Paulo Pacheco e BR Pharma. Grupos internacionais, como os americanos CVS e Walgreens, já sondaram o mercado brasileiro. Neste ano, a São Paulo Pacheco manteve conversas com o CVS, mas as negociações não foram levadas adiante. Segundo fontes próximas às negociações, as partes não chegaram a um acordo sobre preço. 

A rede Extrafarma, do grupo Ultra, que também planeja fazer expansão por crescimento orgânico, usando as redes do posto Ipiranga, não descarta crescer por aquisições, segundo apurou o Estado com fontes. A empresa tem interesse em olhar partes da BR Pharma, do grupo BTG, que está em dificuldades financeiras e está à venda.

Mais conteúdo sobre:
Pague Menos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.