Fundo de banqueiros do Itaú e sócios da Natura faz 1º aporte

Fundo Pitanga, administrado por Fernando Reinach, investe em empresa de software para automação industrial

MELINA COSTA, O Estado de S.Paulo

28 de março de 2013 | 02h07

O fundo de venture capital Pitanga, formado por grandes investidores brasileiros e administrado pelo biólogo Fernando Reinach, que já liderou a Votorantim Novos Negócios, fechou seu primeiro investimento. Trata-se da I.Systems, empresa de software para automação industrial, criada por quatro jovens ao redor dos 30 anos e egressos dos cursos de engenharia da computação e de matemática da Unicamp.

O valor do investimento não foi revelado, mas representa uma pequena parte do Pitanga, que tem, ao todo, R$ 100 milhões. Com o aporte, o fundo tornou-se minoritário na I.Systems, mas divide a gestão da empresa. A origem dos recursos são oito investidores: o próprio Reinach, os fundadores da Natura Guilherme Leal, Luiz Seabra e Pedro Passos e os banqueiros do Itaú Unibanco Pedro Moreira Salles, Candido e Fernão Bracher e Eduardo Vassimon.

"Investimos em pequenas empresas que apresentem inovações radicais em tecnologias ou em modelos de negócios e com grande potencial de crescimento", diz Reinach. "Queremos fazer companhias grandes."

Encontrar startups com esse perfil não é exatamente uma tarefa fácil. O Pitanga levou quase dois anos e analisou 700 projetos até chegar à I.Systems. O primeiro contato entre o fundo e os empreendedores aconteceu no início do ano passado, por intermédio da Associação Campinas Startups, uma entidade sem fins lucrativos que reúne pequenas empresas da região.

A reunião dos jovens com Reinach e Vassimon (hoje vice-presidente de controle de riscos do Itaú Unibanco) aconteceu em uma salinha sem ar-condicionado em Campinas, e foi regada a salgadinhos e coca-cola. Na época, a I.Systemas era financiada por agências de fomento como a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e a Agência Brasileira da Inovação (Finep). "Foi assim que conseguimos nos dedicar ao projeto. Como somos de fora de Campinas, não dava nem para economizar morando com a mãe", diz Igor Santiago, presidente da I.Systems.

A esse primeiro encontro sucederam-se outros, até que os investidores do Pitanga entendessem a complexa "lógica Fuzzy", teoria de controle de sistemas que está por trás do software criado pela I.Systems. Em suma, trata-se de uma técnica de inteligência artificial que permite que os computadores tomem decisões mais sofisticadas: não apenas o binário "sim" ou "não", mas posições intermediárias.

A tecnologia já é usada pela indústria automobilística em carros que estacionam sozinhos e freios ABS, por exemplo. Mas, como depende da criação manual de uma série de regras para seu funcionamento, acaba só se viabilizando para aplicações de massa. É exatamente aí que entrou o trabalho da I.Systems.

Igor Santiago, Leonardo Freitas, Ronaldo Silva e Danilo Halla haviam estudado juntos na Unicamp e dividiam um apartamento quando começaram a trabalhar, nos fins de semana, em uma forma de ampliar o uso da lógica Fuzzy. Desenvolveram algoritmos para gerar automaticamente as tais regras de funcionamento, que foram, por sua vez, aplicadas em um software.

Viabilidade. Depois de oito meses de pesquisa e com a ajuda de consultores, os investidores do Pitanga chegaram à conclusão de que o produto desenvolvido pelo I.Systems era, de fato, inovador. Suas primeiras aplicações práticas foram na automação industrial. Uma das fábricas da Coca-Cola Femsa, por exemplo, passou a usar o software para diminuir a flutuação de seus sistemas de envaze, de modo a preencher as garrafas de refrigerante com a quantidade desejada e diminuir perdas de produto.

Também já são clientes companhias como a Ajinomoto, de alimentos, as químicas multinacionais Rhodia e Lanxess e a São Martinho, usina de açúcar e etanol. Por ora, a intenção do Pitanga é ajudar a montar uma estrutura administrativa e comercial que permita ampliar as vendas da I.Systems e encontrar um parceiro para oferecer seu software no mercado internacional.

Em um passo mais ambicioso, a intenção é lançar novos softwares de automação industrial e estender a tecnologia de lógica Fuzzy para além das indústrias. "É tão inovador que a gente ainda nem sabe tudo o que é possível fazer com essa tecnologia", diz Reinach, que atualmente analisa 60 startups na busca de uma nova I.Systems.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.