coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Fundo de pensão cobra R$ 3,6 bilhões do BNDES

Banco pediu sigilo sobre a cobrança, mas a Fapes, fundação que representa os funcionários da instituição, decidiu avisar os associados

Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

14 de março de 2014 | 02h09

RIO - A Fapes, fundo de pensão dos funcionários do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), está cobrando uma dívida de R$ 3,597 bilhões da instituição de fomento. A dívida refere-se a diversas mudanças nos cargos e salários, como incorporação de gratificações - as principais, em 1988 e 1998. O eventual reconhecimento da dívida aumentaria pouco o passivo do BNDES, pois o valor representa apenas 0,46% do passivo total, de R$ 782,043 bilhões.

O banco de fomento foi formalmente comunicado sobre a dívida em 30 de outubro de 2012. O valor foi determinado em estudo elaborado desde janeiro daquele ano. Procurado, o BNDES informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que o assunto está em discussão com a Fapes, mas o banco de fomento ainda não tem uma postura definida sobre o reconhecimento ou não do montante da dívida.

A cobrança foi revelada pela Fapes num comunicado aos funcionários do BNDES em 31 de janeiro. Em 24 de fevereiro, a fundação divulgou outro documento com o estudo detalhada.

De acordo com os documentos, o BNDES pediu sigilo sobre a cobrança, mas a Fapes decidiu comunicar formalmente os empregados participantes do fundo de pensão sobre a dívida porque uma parcela significativa dos funcionários ficou sabendo do passivo.

"Por determinação legal, a Fundação tem o dever de manter todo o conjunto de participantes com o mesmo nível de informação", diz um trecho do comunicado de fevereiro.

Preocupação. A saúde financeira da Fapes gera preocupação entre os funcionários e é um dos assuntos mais debatidos nos corredores do BNDES. Até um abaixo-assinado sobre o tema circulou entre os empregados.

Ano passado, o fundo de pensão fechou com déficit de R$ 956,1 milhões, mas a Fapes nega que a cobrança da dívida tenha a ver com isso. Em 2012, ano do estudo e da formalização da cobrança da dívida, o plano encerrou o balanço com superávit de R$ 800 milhões, segundo os documentos.

Após a primeira comunicação formal ao BNDES sobre os estudos que chegaram ao valor da dívida, a Fapes submeteu-o a um assessor da Presidência do banco especializado em cálculos previdenciários (atuário), que validou os números.

Além disso, a legalidade da cobrança foi atestada em parecer do escritório Bocater, Camargo, Costa e Silva Advogados.

Assim, em maio do ano passado, um segundo documento cobrando a dívida foi entregue ao BNDES.

Segundo os documentos da Fapes, na ocasião, a Área de Recursos Humanos acordou verbalmente com representantes do fundo de pensão que uma parte da dívida (referente ao recálculo de dívidas já reconhecidas em 2002, 2004 e 2009), no valor de R$ 1,132 bilhão, seria equacionada de imediato.

O tema foi apreciado pela Diretoria do BNDES em 23 de dezembro do ano passado, mas não houve decisão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.