Fundo de pensão surpreende-se com falência da Brasil Ferrovias

O presidente da Funcef, fundo de pensão dos funcionários da Caixa Econômica federal, Guilherme Lacerda, foi surpreendido hoje com a notícia da falência da Brasil Ferrovias, decretada pelo juiz da 2ª Vara de Falência e Recuperações do Fórum de São Paulo, Caio Marcelo Mendes de Oliveira. "É estranho que isso aconteça às vésperas do recebimento de propostas para a compra da empresa", comentou Lacerda, que está em Nova York, participando de "reuniões de rotina" para resolver questões relativas à Funcef, que não detalhou. "Não é notícia", justificou.A decretação da falência judicial, ainda passível de recurso, atendeu a um pedido do credor Scala Participações e Negócios, devido a uma nota promissória não paga de R$ 5,9 milhões. A Brasil Ferrovias, uma das principais malhas ferroviárias do País, responsável pelo escoamento de produtos da região Centro Oeste em direção ao porto de Santos, passou por intenso processo de reestruturação e foi colocada à venda. A abertura das propostas está marcada para o dia 22 deste mês. A malha terá venda desmembrada para os trechos de bitola larga e bitola estreita. Entre as possíveis candidatas à compra da empresa estão a ALL Logística, MRS, Copersucar, Bunge, um grupo coreano e a Ferrovia Oriental da Bolívia. O presidente da Funcef lembra que, após a reestruturação, o BNDES passou a ser o principal acionista da empresa, com 46,6% de participação.Aporte de recursosA direção do banco não quis se pronunciar sobre a decretação de falência. No ano passado, durante o processo de reestruturação, o BNDES fez expressivos aportes na Brasil Ferrovias e atualmente é credor de cerca de R$ 1 bilhão na empresa. Inicialmente, converteu em participação acionária uma dívida de R$ 265 milhões. Logo em seguida, concedeu empréstimo no mesmo valor.Depois, novo aporte de R$ 150 milhões, numa operação em que Previ e Funcef injetaram outros R$ 320 milhões. Finalmente, em janeiro deste ano, o banco destinou mais R$ 114 milhões à empresa, seguindo avaliação técnica de que a malha é extremamente importante para a infra-estrutura no País. Na mesma operação, os fundos de pensão aportaram mais R$ 16 milhões.Lacerda, que preside o Conselho de Administração da Brasil Ferrovias, argumentou que "nunca ouviu falar" do credor que pediu a falência. "Não é a primeira vez que isso (pedido de falência da Brasil Ferrovias) acontece. O estranho é que tenha acontecido de novo agora, quando a empresa está em sua melhor situação, com dívidas negociadas e em processo de venda", comentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.