Patricia Santos/AE–16/4/2008
Patricia Santos/AE–16/4/2008

carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Fundo de R$ 100 mi para novas ideias

Grupo que inclui os fundadores da Natura e banqueiros cria fundo para apoiar empresas em estágio inicial, com alto potencial de retorno

Renato Cruz, O Estado de S.Paulo

26 de maio de 2011 | 00h00

Grandes investidores brasileiros reuniram-se para criar um fundo de capital de risco para aplicar em empresas inovadoras com alto potencial de crescimento. O Fundo Pitanga, com capital de R$ 100 milhões, será gerido por Fernando Reinach, ex-diretor executivo da Votorantim Novos Negócios, e Eduardo Vassimon, ex-vice-presidente do Itaú BBA.

Os investidores, que não estarão envolvidos no dia a dia do fundo, são Guilherme Leal, Luiz Seabra e Pedro Passos, fundadores da Natura, e os banqueiros Pedro Moreira Salles (Itaú Unibanco) e Fernão e Cândido Bracher (Itaú BBA).

"Estamos montando um fundo de venture capital mais clássico, para investir em empresas de alto risco e de retorno alto", disse Vassimon. As conversas para montar o fundo começaram em outubro do ano passado. A empresa já está constituída, mas o fundo ainda aguarda o sinal da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para começar a operar. A ideia é iniciar os investimentos no segundo semestre.

Nos Estados Unidos, é comum os fundos investirem em empresas em estágios iniciais. De dez investimentos, somente um ou dois dão certo, e eles mais que compensam as perdas do restante da carteira.

A ideia do Fundo Pitanga é seguir esse modelo. As empresas investidas podem estar em um estágio bem inicial, ainda na forma de uma ideia de produto ou serviço, sem ter nem mesmo um modelo de negócios definido.

No Brasil, isso não é comum, pois a maioria dos fundos ainda tem participação de investidores institucionais, mais avessos ao risco que indivíduos. "Para um fundo de pensão, é muito mais difícil aprovar o investimento em uma empresa que ainda não sabe como vai ganhar dinheiro", exemplificou Reinach.

Segundo os gestores, eles estão avaliando empresas de vários setores. Quando esteve à frente da Votorantim, Reinach teve sucesso ao investir em empresas das áreas de biotecnologia, como Alellyx e CanaVialis, e tecnologia da informação, como a Tivit. "De 12 investimentos, quatro deram certo, o que é acima da média do mercado", ressaltou. "Demos sorte."

Mercado. O professor Adalberto Brandão, do Centro de Estudos em Private Equity e Venture Capital da Fundação Getúlio Vargas (GVcepe), afirmou que esse modelo de fundo formado por investidores privados, sem prazo para investimento e desinvestimento, ainda é raro no País.

"O mercado brasileiro ainda é muito recente", disse Brandão. Em 2004, o capital destinado a venture capital e private equity no País somava US$ 5,58 bilhões. Em 2009, segundo estudo do GVcepe, esse total chegou a US$ 36,1 bilhões, o que equivale a cerca de 2,3% do Produto Interno Bruto (PIB). "Ainda há muito espaço para crescer. A relação entre investimento e PIB não atingiu os patamares de mercados maduros, como o americano", afirmou o professor.

Desafios

Segundo o GVcepe, a burocracia, a carga tributária, a informalidade e as restrições impostas pelas leis trabalhistas estão entre os obstáculos ao investimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.