Fundo do governo chinês vê oportunidades em emergentes

Fundo soberano já fez alguns contatos iniciais no Brasil e na Rússia, segundo informou o chairman da instituição

Danielle Chaves, da Agência Estado,

20 Janeiro 2010 | 10h50

O fundo soberano de US$ 300 bilhões da China, o China Investment Corp. (CIC), vai se concentrar em investir na Ásia neste ano, já que oportunidades em mercados emergentes são mais promissoras do que em outras regiões, afirmou o chairman da instituição, Lou Jiwei. O CIC também está de olho em outros mercados emergentes e já fez alguns contatos iniciais no Brasil e na Rússia, segundo Lou.

 

"Como o capital do CIC advém das reservas estrangeiras da China, o fundo não pode investir na China, o que é uma pena", disse Lou durante o Fórum Financeiro Asiático, em Hong Kong. No entanto, observou Lou, há várias oportunidades em mercados emergentes, que passaram pela crise financeira global de um modo melhor do que os mercados desenvolvidos.

 

"Os mercados emergentes não dependem mais de capital de fora. Eles são cruciais para a estabilização da economia mundial", destacou. Lou não quis especificar em quais mercados asiáticos o fundo poderia investir, mas disse que ele tem interesse particular em investimentos diretos.

 

O chairman do CIC expressou preocupação com fluxos de dinheiro para dentro da região, observando que tem havido um fluxo de ativos de países desenvolvidos para países emergentes nos últimos anos. "Vários países precisam melhorar o controle dos fluxos de fundos" e uma sólida política monetária é um condutor para um ambiente macroeconômico melhor, disse.

 

O fundo fez uma série de investimentos em commodities e bens imóveis no último ano, na tentativa de se proteger contra a depreciação da moeda, mas Lou afirmou que não tem certeza se essa foi a abordagem correta. "Nós não vimos qualquer forte declínio no dólar. Quando a economia está bem, então o dólar pode cair, mas quando as pessoas estão preocupadas com a economia, o dólar se fortalece", disse. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
fundo soberanoChinaemergentes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.