Fundo é melhor opção para quem não tem tempo de acompanhar o mercado

Tenho um imóvel comercial alugado que vale em torno de R$ 350 mil. Recebo de aluguel R$ 2,8 mil por mês. O sr. avalia que eu deveria aproveitar o aquecimento do mercado imobiliário para vendê-lo? Deveria aplicar o dinheiro em títulos do Tesouro Nacional corrigidos pelo IPCA?

, O Estado de S.Paulo

31 de maio de 2010 | 00h00

A manutenção de imóvel tendo como objetivo único a expectativa de ganhar dinheiro com ele, ou seja, obter retorno com alugueis e ganhos de capital, contando com sua valorização, deve levar em conta outros fatores. Primeiro, devem ser computados os gastos de manutenção que correm por conta do proprietário; segundo, sua depreciação; terceiro, gastos com reforma quando da saída do inquilino; e, por fim, perdas advindas de períodos sem locação, perdas por não pagamento de alugueis e perdas de valor por causa de certas características, como apartamentos com uma única garagem. Em algumas situações, o ganho advindo da valorização é tão grande que compensa as perdas, mas nem sempre isso ocorre. Deve ser lembrado, também, que imóveis têm baixo risco de crédito e de mercado, mas alto risco de liquidez, ou seja, é difícil vender quando necessário e a preço justo. No caso da pergunta, o ganho bruto de aluguel corresponde a uma taxa de 0,8% ao mês. Subtraindo Imposto de Renda, resulta em algo como 0,6% ao mês, dentro da média obtida em aluguéis semelhantes. Os imóveis atualmente estão bastante valorizados, mas ainda há espaço para evolução de preços. Obviamente, devemos verificar com cuidado a localização, o tipo do imóvel e suas condições gerais. Mas, dada a indicação feita na pergunta, a alternativa de venda do imóvel e aplicação no mercado parece interessante. Quanto a investimentos em títulos do Tesouro Nacional ou fundos, depende do objetivo traçado pelo investidor. Há fundos com os mais diversos graus de risco, que oferecem retornos esperados para os mais diferentes investidores. Pelo lado do Tesouro Direto, entre outros, são oferecidas as NTN-Bs (notas do Tesouro Nacional cédula B), títulos de renda fixam sem risco por serem de emissão do Tesouro Nacional, que remuneram o investidor com taxas, hoje, entre 6,35% e 6,78% ao ano, algumas pagando cupom (juros) semestral, outras não, e com prazos de vencimento que vão de 2012 a 2045.

Para quem quer iniciar aplicação em bolsa de valores, qual o melhor caminho? Fundos de ações ou o próprio investidor montar uma carteira? Há como adquirir ações sem pagar taxa de custódia mensal?

Para exemplificar a situação proposta, peço que o leitor reflita sobre a seguinte questão: por que alguém contrata uma cozinheira para sua casa? Ora, a resposta é simples. Porque não sabe cozinhar e/ou não tem tempo para isso. Da mesma maneira, devemos nos perguntar sobre criar a própria carteira ou aplicar num fundo de ações. Se você não tem tempo e/ou conhecimento de mercado financeiro e de ações, em particular, a melhor opção é iniciar o contato com bolsa de valores por meio de um fundo de investimento. Os fundos são condomínios de investidores que têm o objetivo comum em termos de investimentos. O ingresso em fundos traz algumas vantagens, particularmente para o pequeno investidor. Entre elas: a gestão da carteira fica nas mãos de profissionais que acompanham todas as tendências e identificam oportunidades. Justamente pelas facilidades trazidas, há custos que devem ser arcados pelos investidores, como a taxa de administração que corresponde à remuneração do administrador pelos serviços prestados. Além disso, pode haver taxa de carregamento referente aos custos administrativos, como taxas de bolsa, serviços burocráticos, custódia (que sempre ocorre). Ainda pode existir taxa de performance, que é cobrada por alguns fundos quando a rentabilidade supera determinado nível previamente estabelecido. A dica é o leitor procurar fundos ? dentro do grau de risco desejado ? com taxa de administração baixa. Usualmente, quanto maior o valor a ser aplicado, menor a taxa cobrada. A partir desse início, comece a buscar conhecimento sobre o mercado de ações.

Para receber um rendimento mensal, descontada a inflação e o IR, quanto deveria ter aplicado para receber R$ 10 mil ou R$ 15 mil por mês, até morrer? Devo viver mais uns 10 anos.

Considerando uma taxa líquida baixa, de 0,3% ao mês, o principal necessário é de R$ 5 milhões. Para retirada de R$ 10 mil, o principal será de R$ 3,3 milhões. Simulando alternativas, caso a taxa líquida obtida seja de 0,5% ao mês, com retiradas de R$ 15 mil, o principal necessário será de R$ 3 milhões. Ainda com taxa de 0,5% ao mês, com retiradas de R$ 10 mil, o valor será de R$ 2 milhões. Bom, agora que você tem uma referência, continue vivendo bem e feliz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.