Fundo para cooperativas deve iniciar com até R$ 400 mi

O Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito (FGCOOP) deve contar inicialmente com R$ 400 milhões, ao entrar em operação no próximo ano, segundo o diretor de Organização do Sistema Financeiro e Controle de Operações do Crédito Rural do Banco Central, Sidnei Correa Marques.

EDUARDO CUCOLO E RICARDO LEOPOLDO, ENVIADOS ESPECIAIS, Agencia Estado

30 Outubro 2012 | 13h54

O Fundo Garantidor de Crédito (FGC), por exemplo, deve repassar entre R$ 50 milhões e R$ 100 milhões, correspondente à contribuição das cooperativas para o Recheque (recursos obtidos com taxas de devolução de cheques ou retirada de nome da lista de clientes que passaram cheques sem fundos).

As taxas são repassadas atualmente ao FGC, incluindo a parte que corresponde às cooperativas. O restante do dinheiro virá dos fundos garantidores já existentes das maiores entidades que reúnem cooperativas. São dez fundos, com cerca de R$ 300 milhões. A expectativa é de que o fundo, assim como o FGC, cubra 98% dos créditos. Hoje, há 1.234 cooperativas e dois bancos cooperativos, que representam cerca de 6 milhões de pessoas.

Solidez do segmento

As cooperativas de crédito estão sólidas e sem problemas de liquidez. O diretor do BC ressaltou ainda que o índice de Basileia dessas instituições está em 27,1%, acima dos 17,1% dos bancos. Ele descartou que a criação do FGCOOP esteja ligada a problemas financeiros do segmento, embora o fundo tenha poderes para ajudar, se houver necessidade. "O sistema é estável. Hoje, temos 65 instituições em liquidação, apenas cinco são cooperativas, e muito pequenas. Elas estão bem capitalizadas, com alavancagem pequena e elevado índice de capitalização", declarou o executivo, que participa nesta terça-feira do IV Fórum Sobre Inclusão Financeira do BC.

Sidnei relatou que o número de cooperados praticamente triplicou em quase dez anos. As cooperativas representam 2,4% dos ativos totais do sistema financeiro, abaixo do que se verifica, por exemplo, na Costa Rica (8%) e na Alemanha (25%). "Nosso objetivo é, em algum momento, chegarmos aos dois dígitos. A Alemanha é um bom parâmetro."

O diretor negou ainda que a criação de outros fundos garantidores esteja em pauta neste momento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.