Fundo soberano deverá conter alta do real, diz Mantega

Afirmação foi feita ao jornal 'Financial Times', que ressalta controvérsia em torno da criação do fundo

João Caminoto, da Agência Estado,

10 de dezembro de 2007 | 10h22

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse em entrevista ao jornal Financial Times que o papel primário do fundo soberano a ser criado pelo governo será o de conter a valorização do real. "Ele terá a função de reduzir a oferta de dólares no mercado e ajudar o real a se valorizar menos", afirmou.   O FT observou que essas declarações do ministro servem para aumentar a controvérsia em torno do fundo, anunciado inicialmente por ele em outubro. Desde então, os planos de financiamento e os objetivos do fundo foram revisados várias vezes. Essa incerteza tem causado preocupação entre investidores e integrantes do Banco Central.   Segundo o FT, o plano original de Mantega previa que o fundo sacaria as reservas estrangeiras do País, que somam atualmente cerca de US$ 180 milhões. Esse plano gerou uma disputa nos bastidores entre o ministério da Fazenda e o BC.   Uma fonte do BC disse ao FT que "a grande vitória para o Banco Central" foi que "o fundo não vai ter nada a ver com as reservas em moeda estrangeira e nada a ver com o BC".   Mas segundo o FT, na entrevista concedida na semana passada Mantega disse que o fundo vai afetar o acúmulo de reservas e vai partilhar a fonte de fundos do BC junto ao Tesouro Nacional.

Tudo o que sabemos sobre:
Fundo soberanoGuido Mantega

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.