Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Fundo soberano não causou oscilação do dólar, diz Mantega

Segundo ministro da Fazenda, alta da moeda está relacionada a temores com as perdas geradas pelo subprime

Renata Veríssimo e Adriana Fernandes, da Agência Estado,

26 de novembro de 2007 | 15h50

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse nesta segunda-feira, 26, que é um "absurdo" atribuir a volatilidade do dólar nesses últimos dias no mercado brasileiro às notícias de que o governo criará um fundo soberano.  Segundo ele, o motivo da valorização da moeda norte-americana - que superou R$ 1,80 nesta segunda-feira - é bem identificável: a expectativa de que haverá novas perdas nos Estados Unidos por causa dos problemas no setor de crédito subprime e o desmonte de carry trade gerado pela deterioração da divisa dos EUA.  Mantega afirmou que o governo ainda não sabe como vai funcionar o fundo soberano, mas que ele será criado ainda este ano. O ministro antecipou que a idéia é que o fundo faça aplicações em ações de primeira linha, "com pequena parte das reservas internacionais". "Não muda nada na maior parte dos ativos brasileiros", disse Mantega.  O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, é contra a utilização dos dólares das reservas para a criação do fundo. Mantega disse que o assunto será discutido nesta segunda com Meirelles, em audiência às 18 horas, no Ministério da Fazenda.  Mantega negou que serão criados dois fundos como chegou a ser veiculado na imprensa. Segundo ele, o primeiro fundo na verdade são as próprias reservas. E o segundo seria o fundo soberano que será criado.  Crescimento O ministro afirmou que a economia brasileira crescerá mais em 2008 do que se expandiu em 2007, mesmo com uma desacelaração da economia mundial. Ele acredita que o PIB do País terá uma elevação de 5% este ano e começará 2008 aquecido. "Essa turbulência internacional tem poucas repercussões no crescimento do Brasil. O que interessa hoje é que o crescimento econômico está assegurado", disse, lembrando que a valorização do dólar ante o real dos últimos dias tem trazido também algum alívio aos exportadores.  Mantega não quis cravar como uma projeção do governo a previsão do ex-ministro Delfim Neto, que estima uma expansão de 7% para o PIB do País em 2008. "Como essa aceleração da economia ocorreu em bases fortes, ela deve continuar esta trajetória. Em 2008, cresceremos mais do que em 2007, mas se será 6% ou 7%, acho que há um certo otimismo de Delfim", disse. Ele acredita que o mercado interno irá compensar o crescimento menor da economia mundial.

Tudo o que sabemos sobre:
Guido Mantegadólarfundo soberano

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.