Fundo vai lucrar € 4,3 bi com empréstimo aos gregos

Cálculo é de organização não governamental que monitora dívidas e pacotes de resgate pelo mundo

JAMIL CHADE, O Estado de S.Paulo

10 Abril 2015 | 02h04

GENEBRA - O Fundo Monetário Internacional (FMI) vai lucrar € 4,3 bilhões pelos próximos dez anos por conta do empréstimo que fez para evitar que a Grécia quebre. Os dados foram divulgados pela Jubilee Debt Campaing, uma organização não governamental estabelecida no Reino Unido e que promove debates sobre o modelo pelo qual o FMI e outras instituições fazem empréstimos.

De acordo com os cálculos da entidade, o FMI já obteve como lucro cerca de € 2,5 bilhões referente aos juros cobrados desde 2010 pelo pacote de resgate aos gregos. O Fundo garantiu 10% do socorro que a Grécia obteve. O restante veio da União Europeia (UE) e do Banco Central Europeu (BCE).

Mas, com o pagamento de € 462 milhões feito ontem pela Grécia ao FMI, o valor vai quase dobrar até 2024 em termos de benefícios para o Fundo.

Condições. Segundo a ONG, o Fundo está cobrando uma taxa de juros de 3,6% nos empréstimos aos gregos, além de exigir reformas estruturais, a demissão de milhares de funcionários públicos e cortes nos gastos.

"Essa taxa de juros é muito superior ao que a instituição precisa para cobrir todos seus custos", alertou a entidade. Para a ONG, com uma taxa de juros de apenas 0,9%, o FMI já poderia cobrir todos seus gastos. "Se essa taxa fosse cobrada sobre a Grécia pelo FMI desde 2010, o país teria gasto €  2,5 bilhões menos."

"O pacote do FMI não apenas resgatou bancos que fizeram empréstimos inconsequentes, mas também está retirando dinheiro hoje do país", declarou Tim Jones, economista da Jubilee Debt Campaign. "Essa taxa abusiva se soma a uma dívida forçada sobre o povo grego", alertou.

Promessa de campanha. O governo de Alexis Tsipras venceu as eleições prometendo rever a dívida e o pacote de resgate ao país. Mas, uma vez no poder, sua equipe passou a negociar com a UE e até mesmo a pagar o FMI.

Seu discurso, porém, continua insistindo que foram as condições impostas pelos credores que levou o país a seis anos consecutivos de recessão, 50% de desemprego entre jovens e 20% da população abaixo da linha da pobreza.

Nesta semana, Tsipras visitou Vladimir Putin, presidente da Rússia, em busca de alternativas econômicas e ainda criou em Atenas um Comitê Independente para investigar quem e sob quais condições o pacote de resgate em 2010 foi negociado.

Segundo a ONG, 25% de todo o lucro que o FMI teve desde 2010 em empréstimos pelo mundo foi com a Grécia. O dinheiro das taxas de juros cobrado permitiu que as reservas hoje do Fundo cheguem a € 19 bilhões. A dívida grega com o FMI é ainda de € 24 bilhões.

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. PauloGréciaFMI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.