Fundos de curto prazo lideram captações na 1ª quinzena

De acordo com a Anbima, a captação nos primeiros 15 dias de junho foi de R$ 7 bilhões; no acumulado de 2012, esses fundos somam R$ 14,4 bilhões

Aline Bronzati, da Agência Estado,

21 de junho de 2012 | 12h38

Os fundos de curto prazo, com menor nível de risco, lideraram o ranking de captação do setor na primeira quinzena de junho ao levantarem cerca de R$ 7 bilhões, conforme os números preliminares da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). A rentabilidade da categoria no período de referência foi idêntica à do CDI, de 0,32%. No acumulado de 2012, esses fundos somam captações líquidas de R$ 14,4 bilhões, conforme a entidade.

Na outra extremidade, os multimercados foram a única categoria a figurar no terreno negativo na primeira quinzena de junho ao registrarem saques líquidos de mais de R$ 1 bilhão. Em 2012, porém, a categoria acumula captações líquidas de R$ 6,2 bilhões.

No ranking de rentabilidade, a modalidade multimercados trading liderou, com retorno de 0,27% até o dia 15 de junho. Na lanterna, os multimercados estratégia específica tiveram perda de 0,17% no período de referência.

Já os fundos DI tiveram captação líquida de R$ 1,9 bilhão nos 15 primeiros dias de junho e quase R$ 20 bilhões no acumulado deste ano. A rentabilidade foi de 0,33% na primeira quinzena de junho.

Destaque de captação também para os fundos de previdência, que levantaram R$ 1,5 bilhão no período de referência. No acumulado de 2012 até a última sexta-feira (15), a categoria soma captações líquidas de R$ 13,8 bilhões.

A categoria de renda fixa teve captação líquida de R$ 760 milhões na primeira quinzena de junho, com rentabilidade de 0,23% ante 0,32% do CDI. Em 2012 esses fundos já levantaram R$ 25 bilhões.

Fundos de ações levantaram R$ 522,24 milhões na primeira quinzena de junho. Em termos de rentabilidade, fundos de ações Ibovespa Indexado renderam 2,82%, o melhor retorno da categoria, porém, inferior à rentabilidade da Bovespa no período, de 3,08%. No acumulado deste ano até 15 de junho, os fundos de ações somam captação líquida de R$ 838,34 milhões.

A indústria de fundos já levantou R$ 10,6 bilhões em junho, segundo a Anbima, cifra que recua para R$ 8,2 bilhões considerando o saldo dos fundos estruturados, que incluem fundos de private equity, imobiliários e Fundo de Investimentos em Direitos Creditórios (FIDCs).

Tudo o que sabemos sobre:
Anbimarankingfundos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.