Fundos de pensão podem investir R$ 10 bi em infra-estrutura

Podem chegar a R$ 10 bilhões os investimentos em infra-estrutura dos fundos de pensão nos próximos anos, informou o presidente da Previ, Sérgio Rosa, salientando, em audiência pública, na Câmara dos Deputados, que este é apenas um ?volume potencial?. ?É difícil fazer uma previsão?, ressalvou. O presidente da Petros, Wagner Pinheiro, prevê que sua instituição poderá destinar até R$ 2,5 bilhões para investimentos em infra-estrutura nos próximos anos e só em 2004 já pretende destinar entre R$ 500 milhões e R$ 1 bilhão. ?Mas não acredito que vamos chegar a tanto?. O presidente da Funcef, Guilherme Lacerda, afirmou que a instituição da Parceria Público-Privada, em discussão na Câmara dos Deputados, poderá estimular os fundos a fazerem essas aplicações. ?Não fizemos antes porque ainda não há condições concretas de assegurar a rentabilidade, segurança e liquidez necessária aos fundos de pensão, que têm um compromisso com o pagamento dos benefícios de seus associados?, disse ele. "A infra-estrutura no Brasil não suscita dúvidas sobre a demanda nos próximos anos, e será a oportunidade para diversificarmos nossos investimentos e apostar no desenvolvimento do País?, salientou. ?Mas não há capital ilimitado em função da nossa curva atuarial?, explicitou. Segundo o diretor Rubens Alves, da KPMG Auditores Independentes, que tem experiência em todo o mundo na consultoria a projetos de PPP, o mercado brasileiro é "extremamente atraente" para os investidores. "Temos sentido isso no dia-a-dia da nossa empresa?, afirmou. Segundo ele, ?o PPP trará bons players nos investimentos de infra-estrutura no Brasil?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.