Fundos de pensão prevêem quase duplicar ativos em 7 anos

O presidente da Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Abrapp), Fernando Pimentel, durante a apresentação do 24º Congresso Brasileiro dos Fundos de Pensão, que começa hoje, previu que os ativos totais do segmento devem evoluir de R$ 189 bilhões para R$ 260 bilhões em 2005, e quase duplicar para R$ 442 bilhões em 2010. Segundo ele, isso deve ocorrer com a entrada de novos fundos instituídos (de sindicatos e associações) e também das fundações tradicionais devido à adesão a treinamentos que estão sendo feitos para empresas ligadas à Confederação Nacional da Indústria (CNI) e entidades como a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).Pimentel prevê que o número de participantes nos fundos de pensão passe dos atuais 2,3 milhões para uma hipótese conservadora de 3,5 milhões a até 15 milhões no mesmo período. Dentro desta previsão conservadora, ele diz que estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV) estima que os investimentos nos fundos de pensão, incluindo a participação nos projetos de Parceria Público-Privada em infra-estrutura, devem gerar 2,03 milhões de empregos anuais a partir de 2005, e 3,17 milhões em 2010.Segundo o presidente da Abrapp, os investimentos devem gerar rendas da ordem de R$ 37 bilhões em 2005 (R$ 2,3 bilhões em impostos) e R$ 60 bilhões em 2010 (R$ 3,75 bilhões em impostos). Ele informou ainda que esse 24º Congresso apresenta números recordes como 1.273 pagantes; 314 patrocinadores; 67 palestrantes; 33 profissionais credenciados da imprensa; equipe de trabalho de 142 pessoas; 91 convidados, envolvendo um total de 1.920 participantes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.