Wilton Junior
Wilton Junior

Fundos DI devem perder para poupança em aplicações abaixo de R$ 2 mil

Veja ranking dos investimentos de baixo risco após o corte da Selic

Sílvio Crespo, especial para o Estado*, O Estado de S.Paulo

26 Julho 2017 | 20h28

Com a queda na taxa básica de juros de 1 ponto percentual nesta quarta-feira, 26, os fundos de investimento do tipo DI tendem a render menos que a poupança nos próximos 12 meses, para quem aplicar R$ 2 mil ou menos, de acordo com o Ranking Renda Fixa Macro, elaborado pelo economista Pedro Raffy Vartanian. 

Os fundos DI dos maiores bancos do país devem render, em média, 5,39% nos próximos 12 meses, para quem faz aplicação inicial de até R$ 2 mil. No mesmo período, a projeção de rendimento para a poupança é de 5,90%.

Na prática, quem investir R$ 2 mil em um fundo DI terá um rendimento aproximado de R$ 107 nos próximos 12 meses, descontado o Imposto de Renda e a taxa de administração, segundo as projeções do estudo. 

Já a aplicação na poupança tende a gerar um rendimento ligeiramente maior, de R$ 118, ainda segundo o ranking. 

Isso ocorre porque o corte na taxa Selic tende derrubar mais o rendimento dos fundos DI do que o da poupança. 

De qualquer maneira, tanto a poupança quanto os fundos DI perdem para Tesouro Selic (título de mais baixo risco do Tesouro Direto) e para os CDBs com rendimento de 100% do CDI ou mais.

O gráfico abaixo, extraído do estudo, mostra como devem se comportar as aplicações de baixo risco nos próximos 12 meses, descontados o IR e as taxas de administração. 

O ranking compara as aplicações de mais baixo risco existentes no mercado - portanto, aquelas com rentabilidade mais previsível. 

Por isso, foram levantados apenas fundos DI, e o título do Tesouro Direto considerado foi o Tesouro Selic. 

Para quem vai investir R$ 10 mil, a diferença entre a aplicação mais rentável e a menos é de quase R$ 400 em 24 meses. A poupança tende a render R$ 1.183 no período, enquanto um CDB pode chegar a R$ 1.562, caso remunere a 110% do CDI. 

Selic em tendência de queda. As estimativas de rentabilidade do estudo podem ser menores do que as de outros levantamentos feitos após o corte na taxa Selic. Isso ocorre porque o Ranking Renda Fixa Macro considera que a Selic deve continuar em tendência de queda nos próximos 12 meses, conforme prevê a maior parte dos analistas. 

Outros rankings podem projetar rentabilidades maiores se desconsiderarem a tendência de queda da Selic. 

A íntegra do Ranking Renda Fixa Macro está no blog Dinheiro pra Viver e inclui diferentes simulações de investimento para 12 e 24 meses, em fundos, Tesouro Selic, poupança e CDB.

*Artigo escrito em parceria com o blog Dinheiro pra Viver

Mais conteúdo sobre:
Dinheiro poupança finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.