Fundos encerram outubro com captação de R$ 4,775 bilhões

Enquanto as cadernetas de poupança estão perdendo depósitos, os fundos de investimentos registraram captação líquida de R$ 4,775 bilhões em outubro, segundo dados preliminares da Associação Nacional dos Bancos de Investimento (Anbid). No acumulado do ano, a captação líquida subiu para R$ 49,64 bilhões, com o patrimônio líquido consolidado da indústria em R$ 465 bilhões no final do mês passado. A captação líquida de outubro (depósitos menos retiradas) foi ligeiramente superior ao observado em setembro (R$ 4,593 bilhões) e bem acima do contabilizado em agosto (R$ 4,012 bilhões), o que indica que o investidor continua direcionando os seus recursos para esse tipo de aplicação. A preferência dos investidores tem sido pelos fundos renda fixa prefixados, os quais são formados em grande parte por títulos que remuneram por uma taxa prefixada. Os números da Anbid mostram que, em outubro, houve ingresso líquido de R$ 2,8 bilhões, enquanto os fundos pós-fixados (DIs) registraram saída líquida de R$ 1,151 bilhão no mês passado. Essa movimentação de recursos sinaliza a expectativa dos investidores por uma queda das taxas de juros. Preferência por fundos prefixadosCom a contínua migração de recursos da modalidade renda fixa prefixada para fundos DI, as carteiras prefixadas passaram a liderar o ranking de fundos, tomando por base o patrimônio líquido das carteiras. As carteiras prefixadas acumulam patrimônio líquido de R$ 167 bilhões no final de outubro, com participação de 36% no total. Os fundos DI registravam patrimônio de R$ 107 bilhões, com participação de 23,14%, enquanto os fundos mistos contabilizavam patrimônio de R$ 129,7 bilhões, ou o equivalente a 27,90% do total.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.