Fundos: Fiex registram perdas em junho

A crise de confiança dos investidores em relação à capacidade de pagamento da dívida do Brasil vem provocando uma forte queda no valor dos títulos brasileiros negociados no exterior. Para quem tem recursos aplicados em um Fundo de Investimento no Exterior (Fiex), isso significa prejuízo. De acordo com dados da Associação Nacional dos Bancos de Investimento (Anbid), todos os fundos Fiex disponíveis no mercado apresentam rentabilidade negativa em junho. Na média, até o dia 17, a baixa é de 3,69%.Os Fiex são compostos por papéis da dívida do País negociados no exterior, cuja cotação é dada em dólar. Portanto, são carteiras que refletem o desempenho dos títulos brasileiros e a variação da moeda norte-americana. Já existem alguns produtos formados também por papéis da dívida negociados em euro. Nesse caso, além do comportamento dos títulos do Brasil, o fundo vai refletir a variação do euro frente ao dólar. De acordo com o gestor de fundo de renda fixa da Unibanco Asset Management (UAM), Guilherme Menin Gaertner, o desempenho dessas carteiras só não foi pior porque o dólar acumula forte alta no mês. Até ontem, a moeda norte-americana apresenta uma valorização de 10,10% frente ao real. No caso do euro, a alta é ainda mais expressiva. No mesmo período, a moeda européia acumula um ganho de 3,53% acima do dólar. "Como os títulos brasileiros são negociados no exterior em moeda estrangeira, parte das perdas apuradas com esses papéis foi anulada pela valorização do dólar ou do euro", explica Gaertner. Para se ter uma idéia da perda com os títulos brasileiros, os C-Bonds, papéis brasileiros com maior liquidez, estavam cotados a 77,375 centavos por dólar no início do ano. Ontem, encerraram o dia em 59,250 centavos por dólar. A desvalorização no período foi de 23,42%.O gestor da UAM avalia que a decisão de sair de um Fiex nesse momento toma por base a perspectiva que o investidor tem em relação à crise de confiança que o Brasil atravessa. "Se ele acredita que a credibilidade do investidor estrangeiro em relação ao Brasil foi duramente afetada e dificilmente será recuperada, é melhor sair agora, pois, nesse caso, os papéis da dívida brasileira podem cair ainda mais. Mas, se há uma expectativa positiva em relação à retomada de confiança, o melhor é aguardar", afirma Gaertner.Endividamento elevado e cenário político iniciaram criseA relação entre a dívida brasileira hoje e o Produto Interno Bruto (PIB) é de 56%, sendo que grande parte dela está atrelada ao dólar e às taxas de juros. Cada vez que essas cotações sobem, também a dívida brasileira fica maior e aumenta o temor por parte dos investidores de que o governo brasileiro não conseguirá honrar seus compromissos. A mudança de presidente agrava essa incerteza, dado que não se sabe qual será a política econômica adotada pelo próximo governo e de que forma a dívida será administrada. O resultado é que o risco dos títulos públicos aumenta e o governo precisa elevar suas taxas para captar dólares. A diferença entre a taxa de juros paga pelo governo brasileiro e a taxa do governo norte-americano amplia-se, aumentando a taxa de risco-país. Hoje, a taxa de risco-país do Brasil voltou a subir com força. No pior momento do dia chegou a 1.702 pontos. Ou seja, os títulos brasileiros foram cotados a uma taxa 17,02 pontos porcentuais acima dos juros norte-americanos. O problema é que, sem fatores positivos que diminuam a desconfiança dos investidores, esse movimento transforma-se em um círculo vicioso. Isso porque, com uma taxa de risco mais elevada, os juros no mercado interno permanecem em patamar elevado ou podem subir ainda mais, elevando a dívida do País e impactando novamente no risco brasileiro.Veja abaixo a tabela com os Fundos de Investimento no Exterior disponíveis no mercado, segundo dados da Anbid. O desempenho das carteiras tem como base o dia 18 de junho. Fundos Rentabilidade no ano (%)Rentabilidade no mês (%)Rentabilidade no dia (%)Taxa de administração (%)Fiex Pactual Euro12,9-0,021,041Bank of America Fiex11,2-0,21-2,291JP Morgan Debt Fiex7,690,21-0,271,5Credit Suisse Csam Fiex5,54-4,4-0,721Unibanco Ufex5,46-3,22-3,162Hedging Griffo Global Fac5,29-6,61-3,171Voyager Fiex5,09-3,96-0,81NDInternational Fiex Fac Fif4,42-3,88-0,81,5Person Fiex Iii Fac Fif4,16-4,02-0,812JP Morgan Sovereign Fiex2,86-4,93-0,521,5BBA Icatu Fiex Index2,43-5,45-2,651Sul America Fiex2,24-8,88-5,03NDCCF ? Premier1,98-5,75-2,111Finasa 1,88-5,35-3,151BB Fiex0,67-6,77-3,481,5Boston Fie0,6-6,46-2,622BBM Fiex-0,66-4,352,651Bradesco Fif Inv. Ext-3,55-5,95-4,563

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.