Fundos multimercados aumentam captação com a redução da taxa de juros }

Categoria teve captação de R$ 5,1 bilhões somente no mês passado; investimento em multimercados exige atenção e muita pesquisa do aplicador

LUIZ GUILHERME GERBELLI, O Estado de S.Paulo

24 de dezembro de 2012 | 04h33

A busca do investidor por aplicações que prometem maior ganho real (ou seja, descontada a inflação) levou os fundos multimercados a se tornarem líderes na captação. Os dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) mostram que a captação foi de R$ 5,1 bilhões em novembro, de um total de R$ 7,2 bilhões obtidos por toda a indústria.

A liderança dos fundos multimercados na captação ocorre desde agosto - naquele mês, o montante foi de R$ 7,4 bilhões. Na contramão, os fundos DI têm perdido espaço por causa da redução da taxa básica de juros (Selic) - hoje em 7,25% ao ano. Em novembro, houve retirada de quase R$ 3,5 bilhões. Foi o quinto mês seguido de recuo (ver mais ao lado).

A categoria de fundos multimercados é extremamente ampla - pode ter papéis mais conservadores ou bastante arrojados, vinculados à inflação, ações, câmbio e operações com taxa de juros, entre outros ativos.

"Nesse universo, temos desde fundos com características conservadoras até aqueles alavancados", afirmou André Massaro, consultor. "No caso dos fundos agressivos, existe o risco de uma perda até maior que o investimento."

Alavancagem é quando o gestor do dinheiro adota estratégias arriscadas para tentar obter retornos mais altos. Um exemplo dessa operação é quando um gestor utiliza R$ 1 para montar operações que envolvem R$ 5, R$ 10 ou até mais reais do que isso. Se ele acerta, o ganho é proporcional ao risco que aceitou tomar. Se erra, em compensação, a perda pode obrigar o investidor a ter de tapar o buraco aberto com a operação.

Passo seguinte. O fundos multimercados costumam ser um passo seguinte para os investidores conservadores que sempre tiveram renda garantida com os fundos DI e de renda fixa na época em que o juro básico era maior. "A queda na taxa de juros foi interessante, de uma certa forma, para o investidor ficar alerta de que existem outras possibilidades de investimento", afirma Michael Viriato, professor de finanças do Insper. Uma possibilidade, diz ele, é uma parte do dinheiro continuar sendo investida num fundo referenciado ou num CDB, dependendo da estratégia do investidor, enquanto a outra pode ser diversificada.

Nessa gama de papéis que compõem os multimercados, é importante que o investidor analise bem a composição do fundo escolhido para evitar riscos indesejados. "A estratégia de investimento com fundos multimercados demanda mais especialização do gestor", diz Viriato.

Os grandes bancos de varejo não costumam oferecer os multimercados mais arrojados - os que podem até causar perda financeira para o pequeno investidor. "Normalmente são fundos com característica mais conservadora. Esses bancos, por um posicionamento de imagem e mercado, não gostam de correr esse tipo de risco", diz André Massaro. É possível encontrar os fundos mais complexos nas pequenas casas de investimento.

Além de conhecer bem a estrutura do fundo, o investidor deve atentar para as taxas de administração. Dentro de toda a indústria de fundos, os multimercados costumam ter altas taxas de administração, o que 'come' parte da rentabilidade.

Um erro comum de quem decide migrar para um fundo multimercado é o atraso. É preciso lembrar que a boa rentabilidade do fundo no passado não será garantida no futuro. "Se o mercado vai bem, os fundos têm um bom desempenho, e as pessoas começam a aderir. Mas nada garante que esse bom desempenho vai continuar", afirma Fábio Colombo, administrador de investimentos. "Os fluxos de entrada e saída dos multimercados ocorrem muito rapidamente em razão da performance."

Levando-se em conta o patrimônio líquido, os fundos multimercado estão na segunda posição. Em novembro, segundo a Anbima, o patrimônio da categoria era de quase R$ 470 bilhões. A liderança é dos fundos de renda fixa, com R$ 702 bilhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.