Fundos multimercados são indicados para quem quer investimento com risco

Tenho 24 anos, R$ 20 mil na poupança e salário de R$ 2,4 mil bruto. Desse total, R$ 10 mil tenho interesse em aplicar em algo que me renda um pouco mais. Qual a sua indicação? Fundos multimercados são uma boa?

Fábio Gallo, O Estado de S.Paulo

19 de julho de 2010 | 00h00

Fundos multimercados são interessantes para quem esteja disposto a correr um pouco mais de risco. O leitor deve refletir se aceita colocar 50% da poupança em algo mais arriscado. Esse tipo de fundo de investimento diversifica os recursos captados em vários mercados, desde renda fixa, pré ou pós-fixada, renda variável e até derivativos. Fundos como esses com estratégias de maior risco podem resultar em perdas e exigir aportes por parte dos cotistas. Assim, trata-se de uma opção de investimento para aqueles que tenham apetite a risco e objetivos de longo prazo. A dica é sempre buscar fundos com taxa de administração e performance mais baixas.

Quais setores tendem a se beneficiar mais com o atual desempenho da economia brasileira? Quais seriam, então, os setores com as melhores opções de ações na bolsa hoje?

O crescimento da economia brasileira tem vindo muito forte desde o último quadrimestre de 2009, graças à política fiscal praticada, como a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), aliadas as outras medidas monetárias, incentivaram o consumo das famílias. Este quadro nos traz a perspectiva de que, mesmo com a subida dos juros, o PIB crescerá de 7% a 8% em 2010. De modo geral, todos os setores se beneficiam com esse crescimento. No entanto, alguns setores poderão se destacar, como a construção civil e os setores ligados ao consumo.

Não entendo muito o mercado acionário, mas sempre vejo notícias que dizem que os rendimentos são bons. Fiquei sabendo que existem salas de ações para ajudar quem está começando. É uma boa opção?

O mercado de ações é uma boa opção de investimento para quem tem mais apetite para correr riscos e quando pensamos em prazos longos. Exige conhecimento mais consistente sobre investimentos e sobre o mercado. Além de demandar tempo do investidor na gestão de sua carteira. A gestão da própria carteira pelo home broker, ou mesmo pelo corretor, exige que você tenha conhecimento sobre gestão, diversificação, empresas, saiba dar ordens, acompanhe o mercado para saber momentos de entrada e de saída. Para aqueles que querem começar investir em ações, existem boas alternativas de cursos no mercado, algumas delas são à distância. Diversos sites mantêm orientações, dicas, cursos, manuais e simuladores que são muito úteis. Vale a pena serem testados. Uma boa dica é o site da BM&FBovespa.

Qual a diferença entre PGBL e VGBL?

A diferença básica entre o Plano Gerador de Benefícios Livres (PGBL) e o Vida Gerador de Benefícios Livres (VGBL) é em referência à tributação. Quando você investe no PGBL, tem o benefício fiscal durante o período de acumulação de capital, de dedução do Imposto de Renda dos valores depositados de até 12% da receita bruta anual. Enquanto o VGBL não goza desse benefício tributário. Além disso, ambos os planos não são tributados durante o período de acumulação. Em contrapartida, no momento do resgate, o PGBL está sujeito a tributação sobre todo o valor (depositado mais rendimento), segundo tabela regressiva do IR conforme o prazo. Para o VGBL, a incidência tributária existe somente sobre o rendimento (ganho de capital) e não sobre os valores depositados. Assim, o PGBL é recomendado para pessoas que declaram o IR no modelo completo e o VGBL para quem declara no modelo simples ou são isentos.

As ações da Petrobrás estão cada vez mais baratas. É hora de comprá-las ou o risco é muito grande, uma vez que não sabemos quando a capitalização sairá? Li uma reportagem no "Estado" em que um especialista recomenda a compra de ações de empresas que prestam serviços à Petrobrás, pelo fato de haver menos risco e ao mesmo tempo a garantia da demanda. O que o sr. acha disso?

A compra de uma ação deve ser integrada à estratégia de gestão de sua carteira e não pode ser realizada com vistas a um único título. Primeiro devemos ter cuidado com a afirmação de que algo está barato. Estar barato ou caro é sempre em relação a um preço de referência e não significa que está barato em relação ao que valha realmente. O mercado está estabelecendo o preço da ação da Petrobrás no nível atual por causa de suas condições atuais e perspectivas futuras, inclusive as dificuldades em relação à sua capitalização. Na observação simples da evolução de preços da Petrobrás PN (PETR4), verifica-se que esta ação do início do ano até o dia 15 teve queda de 25,76%, enquanto o Ibovespa recuou 9,36%. Quanto a ações de empresas prestadoras de serviços à Petrobrás, lembre-se que elas dependem do próprio desempenho da Petrobrás.

FÁBIO GALLO É PROFESSOR DE FINANÇAS DA FGV E DA PUC-SP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.