Fundos Petrobras apresentam rendimentos

Os optantes do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) que fizeram a aplicação de até 50% do saldo da conta vinculada em cotas de fundos de ações da Petrobras contabilizavam, até a cota de quinta-feira, ganho médio de cerca de 67,92%, de acordo com dados da Associação Nacional dos Bancos de Investimento (Anbid). Como no mercado à vista a ação baixou na última sexta-feira e ficou cotada por R$ 56,80, o ganho até sexta próxima será menor, de cerca de 64,83%. O cotista terá ganhos um pouco menores do que esse por causa do desconto da taxa de administração, na média de 1% ao ano, e das despesas do administrador com a gestão dos recursos. Ainda assim, o ganho corresponde ao rendimento de quase dez anos do FGTS, considerando uma Taxa Referencial (TR) mensal de 0,20% e os juros anuais de 3% que corrigem esses saldos. RendimentosA aplicação em fundos do FGTS começou a render com base no desempenho das ações ordinárias (ON, com direito a voto) da empresa dia 17. Os fundos com recursos próprios já vinham remunerando o aplicador a partir do rendimento dos títulos públicos federais com a aquisição das cotas, disponíveis desde 10 de julho. Além disso, o rendimento acumulado inclui o desconto de 20% dado ao cotista na aquisição dos papéis na oferta pública feita pelo governo.De acordo com estudos da Fator Doria Atherino, o preço-alvo de Petrobras, a ser atingido em 12 meses, é de R$ 66,40. Com isso, o rendimento para os optantes poderá chegar a 92,68%. Caso saia da aplicação antes de seis meses, este será menor, porque o optante perderá o desconto. Para saque do 6.º ao 12.º mês, perde-se metade do desconto.IncorporaçõesAs incorporações que ocorreram entre fundos de ações da Petrobras de uma mesma instituição também contribuirão para um maior rendimento dos investidores. O prazo para fusão sem necessidade de assembléia com cotistas foi encerrado em 17 de agosto, dia da liquidação financeira da ações ordinárias nominativas da Petrobras. A criação de fundos segmentados para determinados perfis de investidores colaborou para a divisão do patrimônio entre fundos de uma mesma instituição.As administradoras fizeram incorporações por terem fundos com patrimônio considerado pequeno, prejudicando os investidores com altas despesas, e por perceberem que um patrimônio maior e uma maior distribuição das despesas do fundo resultaria em uma maior rentabilidade As fusões ocorreram entre fundos de mesma taxa ou taxas diferentes. Em uniões de fundos de taxas distintas, prevaleceu a menor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.