Fundos: rendimento maior, risco maior

Os fundos de renda fixa - prefixados e DIs - continuam perdendo recursos. De acordo com dados da Associação Nacional dos Bancos de Investimento, até o dia 10 de agosto, a maior saída de investidores foi registrada pelos fundos DI, que acompanham as taxas de juros. O total das perdas foi de R$ 752,97 milhões. No caso dos fundos de renda fixa prefixados, o volume de saída foi de R$ 669,34 milhões.Os números da Associação refletem a percepção dos investidores em relação à perspectiva de queda do rendimento dos fundos atrelados aos juros. Com a tendência de novos cortes na taxa básica de juros - Selic -, os investidores tentam obter ganhos mais expressivos em outras aplicações.Investimentos com melhores perspectivas de rentabilidade oferecem risco maiorDe acordo com Eduardo Castro, diretor de renda fixa do ABN Asset Management, a migração dos recursos de renda fixa para outros investimentos com perfil mais agressivo deve acontecer de forma gradativa. Uma dessas modalidades é formada pelos fundos de ações. "A captação no segmento acionário deve começar agora, mas será de forma lenta", explica Castro. Nos dez primeiros dias de agosto, de acordo com dados da Anbid, a entrada de recursos foi de R$ 27 milhões. Outra alternativa para o investidor que busca rendimento mais expressivo são os fundos multicarteira, que podem balancear dentro de um mesmo fundo ativos de renda fixa e renda variável. No mesmo período analisado, a captação dessas carteiras ficou em R$ 19,9 milhões. De acordo com Claudio Lellis, diretor responsável pela BNL Asset Management, a entrada de recursos nesses fundos ainda está muito baixa, mesmo com um cenário econômico e financeiro mais favorável - taxas de juros em baixa, índices de inflação controlados e economia em recuperação. "O investidor brasileiro não tem o hábito de comprar ações. Isso leva um tempo para que surjam resultados significativos", afirma. Avalie o prazo do investimento antes de mudar de aplicaçãoConsulte no link abaixo a cartilha completa do site Finanças Pessoais sobre os fundos de investimento e avalie quais as melhores alternativas para o seu perfil de investidor. Lembre-se que antes de tomar uma decisão sobre alterar o seu tipo de aplicação, você deve avaliar o período em que o dinheiro poderá ficar investido.O dinheiro do curto prazo, destinado para o pagamento de contas ou para a realização de algum projeto inadiável, deve estar protegido e os fundos DI continuam sendo os mais indicados nesse caso. Para quem não tem um período definido para efetuar o resgate e, por isso, pode esperar o tempo necessário até que se consiga o rendimento desejado, existem aplicações mais agressivas, como os fundos de ações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.