Fundos têm primeiro dia de captação

Os fundos de investimento tiveram no último dia nove o seu primeiro dia de captação dos últimos três meses. De acordo com o relatório diário da Associação Nacional dos Bancos de Investimento (Anbid), houve depósito de R$ 102 milhões no dia do feriado paulista.Apesar dessa captação, as saídas no mês e no ano ainda são expressivas: em julho, foram sacados R$ 6,018 bilhões, principalmente dos de renda fixa (R$ 2,656 bilhões) e dos DI (R$ 1,828 bilhão); e, em 2002, foram retirados R$ 34,377 bilhões - dos DI foram R$ 14,696 bilhões e dos de renda fixa, R$ 11,788 bilhões.RentabilidadeOs fundos corrigidos por taxas de juros são, em julho, os que trouxeram maior retorno para o investidor. Os de renda fixa (prefixados) tiveram ganho de 0,43% no mês e de 6,94% em 2002. Os DI (pós-fixados), de 0,39% no mês e de 7,59% no ano. Quem buscou ganhos com os fundos cambiais, que acompanham a variação da moeda norte-americana, teve prejuízo pequeno, de 0,01%, na contramão do que vinha acontecendo ao longo dos últimos meses. No ano, a alta é de 18,83%. Em julho a maior queda é dos fundos setoriais de telecomunicações. A crise da WorldCom foi um dos fatores que influíram no resultado negativo dessas ações, principalmente da Embratel. A baixa até o dia 9 era de 4,86% no mês. No ano, a queda ampliou-se para 27,18%.As ações setoriais de energia também caíram. Em julho, estavam, até o dia 9, em baixa de 4,00%. Em 2002 a queda é de 12,71%. Os fundos Ibovespa, que buscam retorno com a variação do Ibovespa - índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) -, caíram 4,59% em julho e 22,49% no ano. Os fundos de privatização da Petrobrás também estão em queda. Os com recursos do FGTS, de 7,19% em julho e de 1,56% no ano. Os com recursos próprios, de 7,14% no mês e de 2,04% em 2002. E os fundos de privatização da Vale inverteram a tendência em que vinham desde que foram lançados e começam a apresentar baixa, embora pequena. A queda foi de 0,15% (FGTS e migração) e de 0,17% (recursos próprios). No ano, entretanto, esses fundos são os que trazem maior retorno: 43,54% (FGTS), 47,01% (recursos próprios) e 37,31% (migração). Leia, nos links abaixo, cartilhas com dicas de investimento e com análise de carteira de acordo com o perfil do investidor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.