Funerária deve para agência do Ministério da Tecnologia

A Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), agência do Ministério de Ciência e Tecnologia, está com inadimplência de 68%, equivalente a R$ 600 milhões. Para o ministro da Ciência e Tecnologia, Roberto Amaral, o índice ?é um escândalo?. Pior ainda é que entre as empresas devedoras há uma funerária e vários restaurantes. ?Temos uma carteira de 50 empresas que correspondem a 80% dessa inadimplência?, disse o presidente da Finep, Sérgio Rezende.Amaral informou que estão sendo realizadas duas auditoria, uma externa e outra da Controladoria Geral da União. Até o final da semana, o ministro deve receber um relatório das auditorias. ?Vou encaminhar tudo para a Advocacia Geral da União?, afirmou. De acordo com o ministro, período em que os créditos não pagos foram concedidos é o de 1991 a 1998. Antes disso, a taxa de inadimplência era de 12%.O orçamento deste ano da Finep é de R$ 400 milhões para empréstimos que podem ir para empresas. Mais R$ 500 milhões dos 14 fundos setoriais de C&T vão para universidades e institutos de pesquisa, segundo Rezende. Mas, com o problema da falta de pagamento, a Finep está descapitalizada e está pedindo entre R$ 100 milhões e R$ 200 milhões ao BNDES, informou o ministro.O presidente do banco, Carlos Lessa, informou que o BNDES terá ?por baixo, R$ 300 milhões? para financiar, por meio da Finep, pequenas e médias empresas de base tecnológica em setores considerados ?gargalo? para a substituição de importações ou aumento do valor das exportações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.