Marcos Corrêa/PR
Marcos Corrêa/PR

FUP entra na Justiça contra Pedro Parente e pede arresto de bens

Federação Única dos Petroleiros entrou com uma ação contra o ex-presidente da Petrobrás Pedro Parente por improbidade administrativa

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

05 Junho 2018 | 18h39

RIO - A Federação Única dos Petroleiros (FUP) entrou na segunda-feira, 5, com Ação Civil Pública contra o ex-presidente da Petrobrás Pedro Parente por improbidade administrativa.

+ Técnicos do governo rejeitam subsidiar combustível com pré-sal

A ação cobra a anulação do pagamento de US$ 600 milhões (cerca de R$ 2,2 bilhões) que a estatal fez em maio ao banco JPMorgan, como antecipação de quitação de uma dívida que só venceria em setembro de 2022.

Na ação, além da nulidade da antecipação do pagamento feito ao JPMorgan, a FUP cobra a responsabilização de Pedro Parente e do banqueiro José Berenguer, do JPMorgan, bem como a indisponibilidade imediata de seus bens.

A Federação alega que foi um "péssimo negócio" para a Petrobrás a antecipação do pagamento autorizado por Pedro Parente. "A antecipação de valores cujo vencimento ocorreria apenas em cinco anos não se justifica sob a ótica da eficiência - aqui, convém frisar os resultados negativos que a Petrobrás vem apresentando nos últimos anos", alerta a FUP.

A Federação também criticou em nota os prejuízos que a estatal amargou durante os 11 dias de protestos dos caminhoneiros e a perda de R$ 40,9 bilhões em valor de mercado que a empresa teve com o comunicado de demissão feito por Parente em pleno funcionamento do pregão. "Ele deve ser investigado por isso", afirma a FUP em nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.