Sevan Drilling/Divulgação
Sevan Drilling/Divulgação

Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Greve na Petrobrás já parou 23 plataformas da Bacia de Campos

Segundo a Federação Única dos Petroleiros, outras plataformas funcionam parcialmente; cerca de 500 mil barris de petróleo por dia deixaram de ser produzidos por conta da greve

Fernanda Nunes, O Estado de S. Paulo

02 de novembro de 2015 | 16h05

RIO - Das 44 plataformas instaladas na Bacia de Campos para a produção de petróleo e gás natural, 23 tiveram o funcionamento completamente interrompido durante a greve liderada pela Federação Única dos Petroleiros (FUP). Outras oito plataformas operam parcialmente. Com isso, cerca de 500 mil barris de petróleo por dia (bpd) deixaram de ser produzidos desde o início do movimento, às 19h deste domingo, 1º de novembro, estima o Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense (Sindipetro-NF), ligado à federação. O volume representa 25% da produção total da Petrobrás. 

Em cinco plataformas da Bacia de Campos, a produção está sendo mantida por pessoal de contingência selecionado pela Petrobrás. O diretor do Sindipetro-NF, Leonardo Ferreira, acusa a empresa de escalar para o trabalho funcionários que ocupam cargos de coordenação, sem experiência na rotina operacional. 

Em nota oficial, a Petrobrás informou que toma medidas para garantir "a segurança dos trabalhadores e das instalações" e também para manter abastecido o mercado interno de combustíveis. Segundo a empresa, as consequências da greve ainda são avaliadas. "Em alguns locais, estão ocorrendo bloqueios de acessos, cortes de rendição de turno e ocupação", traz o comunicado da Petrobrás. 

A produção na Bacia de Campos poderá parar, caso a direção da Petrobrás se negue a negociar com os petroleiros, disse Ferreira, do Sindipetro-NF. Ao mesmo tempo, ele nega que seja essa a intenção dos grevistas. "O que queremos, de fato, é forçar a direção a sentar com os trabalhadores para conversar. Como o mercado será abastecido é um problema da Petrobrás, não nosso", afirmou. 

A Bacia de Campos responde por pouco mais de 70% da produção nacional de petróleo dos 2 milhões de bpd de petróleo extraídos no País. Para paralisar totalmente o Norte Fluminense, os grevistas ainda têm que intervir no funcionamento de sete plataformas, que hoje estão em pleno funcionamento. 

A pauta de reivindicação da FUP não inclui ganhos trabalhistas, mas tem caráter político, segundo Ferreira. O alvo é o plano de desinvestimento da Petrobrás. Os sindicalistas querem evitar a venda de ativos da petroleira e a perda de postos de trabalho.

No mês passado, a direção da Petrobrás anunciou que o conselho de administração aprovou a venda de 49% da Gaspetro, subsidiária de distribuição de gás natural, e que ainda procura um sócio para a BR Distribuidora. Essa tem sido a solução apresentada pela Petrobrás em resposta ao alto endividamento que compromete a sua capacidade de investimento. 

Tudo o que sabemos sobre:
grevePetrobrásFUPpetroleiros

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.