FUP se reúne na terça para discutir greve de petroleiros

Segundo a Federação, contraproposta oferecida pela Petrobrás não trouxe avanços nos itens de segurança

Mônica Ciarelli, da Agência Estado,

17 de novembro de 2011 | 18h03

A Federação Única dos Trabalhadores (FUP) informou nesta quinta-feira, 17, que a reunião do Conselho Deliberativo para decidir o futuro da greve será realizada na próxima terça-feira, 22. No encontro, serão discutidos os resultados das assembleias, que analisam a contraproposta feita pela Petrobras para evitar a greve. Segundo o coordenador geral da FUP, João Antônio de Moraes, as assembleias estão rejeitando a nova proposta. "Isso é um sinal de que a greve deve acontecer", afirmou.

Os petroleiros alegam que a contraproposta apresentada pela estatal no início da semana não trouxe avanços, especialmente nos itens de segurança. "Eles avançaram nas questões financeiras, mas não nas reivindicações por mais segurança." Moraes conta ainda que a FUP pretende intensificar as paralisações-surpresa, que já vêm sendo feitas por petroleiros. Ele lembrou que hoje acontece uma na Bahia, onde foram paralisadas as operações na refinaria Landulpho Alves e uma unidade de fertilizantes.

A nova proposta da Petrobrás prevê um reajuste de 10,71% nos salários, que equivale a um aumento real de 3,25%. A FUP exige um ganho real de 10%, além de mudanças na política de segurança do trabalho.

Além de apresentar uma contraproposta, a estatal vem lançando mão de outra estratégia para barrar a greve. Nos últimos dias, informativos mostrando os avanços da nova proposta da Petrobrás têm sido entregues aos trabalhadores.

A própria FUP admite que a Petrobrás tem sido mais atuante nessa negociação com os trabalhadores. "Esse é um jogo político. Ela (Petrobrás) tem intensificado as ações este ano, está disputando os trabalhadores com a gente. Mas acho que estamos vencendo. As assembleias estão rejeitando a contraproposta", concluiu.

(Texto atualizado às 19h31)

Tudo o que sabemos sobre:
grevepetroleiros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.