finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

FUP também nega risco de desabastecimento de petróleo

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) garantiu que a paralisação de 24 horas que está sendo realizada hoje pela categoria não afetará "de modo algum" o abastecimento de derivados de petróleo no País. "Garantimos que não há possibilidade de redução da produção ou de desabastecimento", disse o diretor da FUP, Fernando Carvalho.Em nota divulgada hoje, a Petrobras também garantiu que a paralisação não afetará o abastecimento. Carvalho explicou que os petroleiros decidiram iniciar o movimento à zero hora de hoje porque a contraproposta de acordo coletivo apresentada pela Petrobras no último dia 3 de setembro "não atende às reivindicações". Segundo ele, os petroleiros, que têm data-base em setembro, apresentaram a pauta de reivindicações à empresa no início de agosto, solicitando 15,5% de reajuste (porcentual considerado necessário para recompor as perdas acumuladas de setembro do ano passado a agosto deste ano) e mais 6,8% de produtividade. Carvalho disse que na contraproposta a Petrobras sequer apresentou um índice alternativo de reajuste, com o argumento que a empresa está fazendo "levantamentos" sobre o assunto. Não houve resposta também, segundo ele, para as reivindicações de fim da discriminação entre trabalhadores novos, antigos e aposentados na empresa e, ainda, de fim da terceirização de algumas atividades, com realização de concurso público. Carvalho disse também que a FUP aguarda uma proposta mais detalhada da Petrobras até a próxima semana e que, se a empresa não se manifestar, a categoria "poderá aprovar outros tipos de mobilização". Ele não soube informar qual o nível adesão à greve até o momento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.