Furlan anuncia missão para negociar acordos com o Iraque

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, disse hoje que acertou ontem a ida de uma missão econômica e comercial brasileira para negociar parcerias e acordos com empresas iraquianas. O ministro não citou a data da missão, mas ressaltou que o encontro será realizado na capital da Jordânia, Amã. Furlan reiterou a expectativa de que, até fim de 2008, o fluxo comercial entre o Brasil e os países da Liga Árabe seja de US$ 15 bilhões, praticamente o dobro do registrado no ano passado, de US$ 8,1 bilhões - o Brasil registrou déficit de US$ 100 milhões com esses países em 2004. Ele disse ainda que a Agência de Promoção de Exportações (Apex) já iniciou a organização de um depósito em Dubai para a pronta entrega de produtos brasileiros exportados para a região. O ministro ressaltou que, além dos produtos agrícolas, que compõem praticamente a totalidade das vendas externas para o Oriente Médio, o campo para manufaturados e investimento entre empresas é muito grande. Ele destacou que o acordo-quadro entre Mercosul e Marrocos abre expectativas muito grandes de avanços entre os dois países e já há pedidos de inclusão de 900 produtos na lista de ofertas para redução ou isenção tarifária. No âmbito do acordo Mercosul e China, as duas partes estão realizando consultas para a elaboração da lista de ofertas de produtos. Furlan salientou ainda o interesse entre Brasil e países da Liga Árabe na área de turismo, o que tem se refletido na implementação de vôos entre o País e o Oriente Médio. Ele citou operações da The Emirates, Air Liban e a Turkish Airlines, que já avalia a possibilidade de fazer conexões com o Brasil. "Quando vejo o potencial, percebo que, com um pouco de esforço, a meta de US$ 15 bilhões para 2008 é factível", disse o ministro, na abertura do Encontro Empresarial Brasil-Países Árabes, que acontece em São Paulo.

Agencia Estado,

12 Maio 2005 | 11h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.