Furlan apresenta projeto para vender moda à Rússia

O governo brasileiro apresentou hoje, em São Paulo, o projeto Moda Brasil-Rússia, que vai promover produtos brasileiros em Moscou das áreas têxtil, de calçados, cosméticos e jóias. O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, que abriu o evento, disse que o Brasil pretende triplicar as relações comerciais com a Rússia nos próximos três anos.No ano passado, o Brasil forneceu apenas 2% de tudo o que a Rússia importou. No primeiro semestre de 2004, as vendas do Brasil para aquele mercado tiveram um incremento de 3,2% sobre o mesmo período do ano passado ? muito inferior à média de crescimento das exportações totais do Brasil, em torno de 30% -, para US$ 690 milhões. Os principais produtos da pauta são: açúcar em bruto, café solúvel, aviões, tratores e calçados). O projeto Moda Brasil Rússia, com investimentos de R$ 1 milhão divididos entre a Agência Brasileira de Promoção de Exportações (Apex) e outras cinco associações setoriais de empresários, acontece de 24 a 28 de setembro na capital russa. O tema do evento é "Muito prazer. Somos isso e muito mais." Haverá desfile de roupas e peças dos estilistas Amir Slama, Walter Rodrigues e Alexandre Herchcovitch, exposição e venda de produtos brasileiros, festas, e apresentação de músicas e filmes nacionais, tudo somente para convidados. O evento acontece no pavilhão T-Modul, onde será montado também um bar que servirá café, cachaça e sucos de frutas tropicais. Foram selecionadas ainda 35 empresas para expor seus produtos no espaço Trade Show.Segundo o estilista Amir Slama, da grife Rosa Chá (moda praia), que participa do projeto, o Brasil vai focar suas ações no entusiasmo dos russos por produtos ligados ao calor e ao verão. A lógica por trás do projeto é que como o país só registra temperaturas mais amenas durante pouco mais de um mês, a população vê com muito entusiasmo tudo o que está ligado ao verão e à moda dos países tropicais. "Em países frios, tudo o que se refere ao calor gera muito entusiasmo", disse.ArgentinaO ministro Furlan deixou abruptamente a entrevista coletiva concedida depois da apresentação do projeto, depois de ser questionado sobre a retomada do contencioso entre Brasil e Argentina no setor de calçados. Furlan alegou que o assunto estava fora da pauta do evento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.