Furlan, da Sadia, pagará R$ 200 mil à CVM para encerrar processo

Executivo foi acusado de não ter observado sigilo sobre a negociação que culminou na associação da empresa com a Perdigão

Eulina Oliveira, da Agência Estado,

18 de abril de 2011 | 19h20

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) divulgou nesta segunda-feira, 18, os termos de compromisso aprovados em reunião realizada no último dia 22 de março. Um desses termos se refere a processo administrativo contra Luiz Fernando Furlan, então presidente do conselho de administração da Sadia, e Welson Teixeira Júnior, então diretor de Relações com Investidores da companhia.

Furlan apresentou proposta de pagamento à CVM no valor de R$ 200 mil. De acordo com a CVM, ele foi acusado, na qualidade de presidente do conselho de administração da Sadia, de não ter observado sigilo sobre a negociação da qual fez parte diretamente enquanto administrador e acionista da Sadia que culminou na associação da empresa com a Perdigão, em 2009.

Teixeira Júnior também apresentou proposta de pagamento à CVM no valor de R$ 200 mil. Ele foi acusado, na qualidade de diretor de Relações com Investidores da empresa, de não ter sido diligente em relação à verificação das informações prestadas na imprensa por Furlan.

Atualmente, Furlan é co-presidente do conselho de administração da BRF - Brasil Foods, empresa resultante da associação entre Sadia e Perdigão.

Conforme a CVM, com a aceitação dessas propostas pelo colegiado, os processos ficarão suspensos e, após o cumprimento das obrigações assumidas, serão extintos. 

Tudo o que sabemos sobre:
furlancvmprocessosigilosadiaperdigão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.