Furlan defende política econômica com "ajuste fino"

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, defendeu hoje a política econômica do governo, mas admitiu a necessidade de um "ajuste fino" para a retomada do desenvolvimento econômico do País. Ao comentar a iniciativa da Executiva do PT, na última sexta-feira, de defender mudanças na política econômica, o ministro disse que toda gestão, seja empresarial ou governamental, deve ter princípios e rumos e ao mesmo tempo flexibilidade suficiente para perceber "momentos de ajuste fino". Segundo ele, não se trata de uma mudança de rumo ou de objetivo maior, pois o objetivo é o desenvolvimento e o crescimento econômico. Ele explicou que o "ajuste fino" seria na microeconomia. "Ajustes finos são ajustes de microeconomia. E isso várias vezes tem sido mencionado pelo ministro Palocci (Antonio Palocci, da Fazenda) e pelo presidente Lula." Furlan informou que na última semana os ministros da área econômica se reuniram duas vezes para discutir essa questão e ele apresentou proposta de ajustes finos, dentro da política industrial, tecnológica e de comércio exterior, que possam ajudar a reativação de investimentos e criação de postos de trabalho. "Eu acho que o grande rumo da política econômica está correto", disse o ministro. Lula e Palocci O ministro declarou ter certeza de que o presidente Lula ?saberá dar encaminhamento devido a essas sugestões para que, internamente no governo, elas sejam consideradas." A uma indagação se a manifestação do PT ocorreu no momento certo, Furlan respondeu: "Eu não sou político, não entendo nada disso; não sou nem filiado ao partido". Perguntado se Palocci não estaria abalado com o documento do PT, Furlan respondeu: "como eu vou saber? Perguntem a ele".

Agencia Estado,

08 Março 2004 | 13h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.