Furlan detalha MP do Bem em seminário

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, antecipou hoje as iniciativas que compõem a MP do Bem, que será assinada logo mais pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Furlan informou que a MP nasceu de quatro iniciativas, com o objetivo de dar "alento à economia" e para estimular os investimentos. São elas: isenção de PIS e Cofins na venda de microcomputadores para o usuário final (o chamado PC Conectado); a suspensão de PIS-Cofins sobre novos investimentos, desde que os beneficiados orientem 80% da sua produção para o mercado externo; incentivo fiscal para empresas que invistam em inovação tecnológica e desoneração de PIS e Cofins para plataformas de exportação de serviços.Durante o "Seminário de Competitividade", na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio da Câmara, a MP será complementada por outras medidas, como correções na legislação do Simples, benefício fiscal para o setor de construção civil e a correção de distorções na legislação de PIS-Cofins, que provocavam, segundo ele, assimetrias na tributação dos mercados futuros. "Nossa agenda de competitividade não se esgotará com a MP do Bem", afirmou Furlan.Ele destacou que a iniciativa será relevante e trará resultados, em breve, na captação de investimentos produtivos para o Brasil. Furlan mencionou que empresas como a chinesa Bao Stiel, a coreana Posco, a General Eletric e Peugeot e ainda a International Paper, a IBM e a HP se mostraram interessadas em conhecer a iniciativa que está sendo implementada hoje pelo governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.