Furlan diz que exportações podem crescer 13% ao ano

O ministro de Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, disse hoje em SãoPaulo que o Brasil tem plenas condições de manter "sustentadamente" um crescimento médio de 10% ao ano de suas exportações. Ainda mais otimista, o ministro afirmou que, se as vendas externas brasileiras crescerem a uma média de 13,65% ao ano, em quatro anos de governo Lula, as exportações do País terão ultrapassado a barreira dos US$ 100 bilhões. "Nesse momento teremos, então, uma relação comércio exterior/PIB e comércio exterior/dívida (em moeda estrangeira) muito mais favorável do que hoje", estimou Furlan. Isso, de acordo com ele, refletirá no bolso de cada brasileiro porque o risco país ? taxa que mede a confiança dos investidores estrangeiros na capacidade de pagamento da dívida ?, hoje acima de 700 pontos básicos, será muito menor, e os juros também. "O grande sonho de ser um país com taxas de juros de um dígito e com taxa de risco país de 200 pontos, além de contar com um câmbio saudável, sem essas oscilações de eletrocardiograma, será alcançado e, certamente, seremos então um grande país exportador."Apresentando uma série de exemplos, o ministro informou ainda que, entre janeiro e meados de agosto, as exportações para 23 países, entre eles a China, cresceram 100%, sobre o mesmo período de 2002. "Não dá para desprezar nenhum mercado, seja da Europa Oriental, da África ou do Extremo Oriente. Temos de aproveitar as oportunidades, que podem fazer uma grande diferença para a situação do País", acrescentou.A meta deste ano, de acordo com Furlan, é aumentar em mais US$ 8 bilhões as vendas externas do Brasil, saindo de US$ 60 bilhões, em 2002, para US$ 68 bilhões. "Já estamos bem próximos disso, com US$ 7,5 bilhões acima do verificado no mesmo período do ano passado", afirmou o ministro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.