Furlan espera juros de um dígito no 1º trimestre de 2004

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, classificou como boa a decisão do Copom de reduzir em um ponto porcentual a taxa Selic. Após solenidade na Base Aérea de Brasília, Furlan disse que acredita na continuidade da queda dos juros. Ressaltou, porém, que o atual nível da Selic, de 19% ao ano, ainda não é suficiente para a retomada do crescimento. "Ainda temos dois meses pela frente para que no primeiro trimestre do ano que vem se chegue a juros reais de um dígito", afirmou Furlan. À indagação se a queda dos juros favoreceria mesmo o crescimento, afirmou: "Favorece sim e favorece também ao governo, que é o maior pagador de juros. Paga quase R$ 100 bilhões por ano". Ponderou, porém, que "o desequilíbrio econômico e inflação também não interessam a ninguém".Sobre a Alca, o ministro afirmou que "é preciso ter calma e firmeza nas negociações". Segundo ele, o endurecimento dos Estados Unidos na negociação faz parte do jogo. "É um jogo de cena que faz parte", comentou. "Nas negociações acontecem sucessivas aproximações e recuos", disse ao reiteirar que é preciso ter calma e firmeza.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.