Furlan evita imprensa e não fala sobre ex-assessor

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, evitou a impressa, ontem, no Rio, durante um evento sobre desburocratização. O ministro, que pela manhã havia participado de reunião fechada na sede do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), entrou por uma passagem no fundo do palco do auditório da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) e deixou o evento pelo mesmo local.Furlan chegou em cima da hora no evento, que começou por volta das 15 horas, e usou a passagem interna, diferente dos outros convidados, que chegaram ao auditório pela entrada principal.Neste fim de semana, circulou notícia de que um assessor especial, Renello Parrini, lotado no gabinete do ministério, estaria ligado a um banco sediado no Caribe que manteria operações supostamente irregulares com o Banco Santos. Na última sexta-feira, o funcionário negou que tenha negócios ilegais, mas pediu exoneração, alegando que estaria evitando desgaste ao ministério.Durante a curta apresentação, de cerca de 20 minutos, o ministro não fez qualquer referência à exoneração e à notícia veiculada pela Folha de S. Paulo no último sábado. O evento aconteceu na sede da Firjan, no Centro do Rio. Depois da apresentação de outros participantes, o ministro criticou a burocracia no País. Ele pregou a simplificação e a transparência, e chegou a defender uma espécie de registro nacional para empresas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.